Você está aqui: Página Inicial / Blogs / Parlatório / Jucá e Renan recebiam mesada, afirma Machado

Política

Operação Lava Jato

Jucá e Renan recebiam mesada, afirma Machado

por Redação — publicado 15/06/2016 17h15, última modificação 15/06/2016 17h38
Ex-presidente da Transpetro diz que repasses mensais começaram em 2008 e que doações aumentavam em ano eleitoral
Jane de Araújo/Agência Senado
Juca-Renan

Romero Jucá e Renan Calheiros receberam repasses mensais durante anos

O ex-presidente da Transpetro Sérgio Machado afirmou, em delação premiada, que o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), e o senador Romero Jucá (PMDB-RR) receberam mesada do esquema de corrupção na Petrobras. A delação é parte das investigações da Operação Lava Jato e foi divulgada nesta quarta-feira 15.

De acordo com Machado, que foi indicado pelo PMDB para o cargo na Transpetro, os pagamentos a Renan começaram em 2004 ou 2005, quando o senador lhe disse que “precisava manter sua estrutura e suas bases políticas” e pediu uma colaboração. Segundo Machado, ficou subentendido que essa ajuda viria das empresas que tinham contratos com a Transpetro.

O primeiro repasse a Renan teria sido de 300 mil reais. “Inicialmente os repasses para Renan Calheiros eram erráticos, sem periodicidade definida, mas se tomaram anuais em 2008, quando o depoente passa a repassar cerca de R$ 300 mil por mês durante dez ou onze meses por ano”, diz trecho da delação. A mesada teria sido paga até 2014.

Machado disse, ainda, que em anos eleitorais esses valores eram acrescidos do pagamento de propina na forma de doações oficiais, valores que constavam na prestação de contas do partido, e não do candidato.

No total, diz Machado, Renan recebeu 32 milhões de reais em propina, sendo que, desse montante, 8,2 milhões de reais foram repassados por meio de doações oficiais das empreiteiras Camargo Correa, Galvão Engenharia e Queiroz Galvão.

Já os repasses a Romero Jucá seriam de 200 mil reais por mês, também durante dez ou 11 meses por ano. Jucá teria recebido 21 milhões de reais em propina no total, sendo que as doações oficiais das mesmas três construtoras somariam 4,2 milhões de reais.