Você está aqui: Página Inicial / Blogs / Parlatório / Lula é "hábil articulador" que "fortalece o governo", diz Dilma

Política

Crise

Lula é "hábil articulador" que "fortalece o governo", diz Dilma

por Redação — publicado 16/03/2016 16h57, última modificação 16/03/2016 17h41
Dilma nega mudanças na equipe econômica e diz que Lula não terá superpoderes
Roberto Stuckert Filho / PR
Dilma Rousseff

Dilma em coletiva: Lula não terá superporderes

A presidenta Dilma Rousseff defendeu na tarde desta quarta-feira 16 a nomeação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva para chefiar a Casa Civil de seu governo, informação divulgada pela manhã. De acordo com Dilma, Lula é um "hábil articulador" que "fortalece" o seu governo.

“Há seis anos vocês (jornalistas) tentam me separar do Lula, mas minha relação com ele é uma sólida relação de quem constrói um projeto junto", afirmou Dilma em uma rara entrevista coletiva. A presidenta rechaçou as críticas de que Lula terá superpoderes e vai administrar o País em seu lugar. "(Lula terá) os poderes necessários para nos ajudar, para ajudar o Brasil", disse. "Tudo que ele puder fazer para ajudar o Brasil será feito", afirmou ela, destacando o "conhecimento sobre o País" e a "visão estratégica" do antecessor.

Dilma afirmou que a decisão sobre a nomeação de Lula estava tomada na noite de terça-feira 15, mas só foi anunciada no dia seguinte, quarta-feira, por conta de detalhes que deveriam ser acertados. Segundo Dilma, Lula tinha dúvidas sobre como a notícia poderia ser usada pela oposição. Para a presidenta, Lula fortalece seu governo, algo que "alguns não gostariam que acontecesse".

Os temores de Lula diziam respeito à possibilidade de sua nomeação ser vista como uma "fuga" das garras de Sergio Moro, o juiz da 13ª Vara Federal de Curitiba responsável pela Operação Lava Jato e que tem fama de implacável. Agora como ministro, Lula terá o chamado foro privilegiado e seu caso na Lava Jato ficará a cargo do Supremo Tribunal Federal. De acordo com Dilma, seria um desrespeito com o STF duvidar da capacidade da Corte de realizar um julgamento justo.

Economia

Dilma negou que a entrada de Lula provocará uma reforma ministerial para acomodar seus aliados. Segundo ela, o ministro da Fazenda, Nelson Barbosa, e o presidente do Banco Central, Alexandre Tombini, não apenas não estão de saída do governo como "estão mais dentro do que nunca".

Além de negar a mudança da equipe econômica, Dilma afastou a possibilidade de o governo usar as reservas em moeda estrangeira para reativar a economia. Segundo ela, isso não passava de "especulação".

Segundo disse Dilma, Lula ajudará seu governo a trilhar o caminho da "retomada do crescimento, do controle fiscal e do controle da inflação".