Você está aqui: Página Inicial / Blogs / Parlatório / Lava Jato: PGR envia lista de 54 investigados para o STF

Política

Operação Lava Jato

Lava Jato: PGR envia lista de 54 investigados para o STF

por Redação — publicado 04/03/2015 09h29, última modificação 04/03/2015 09h39
Cabe ao ministro Teori Zavascki autorizar a abertura de inquéritos e determinar o fim do sigilo sobre os nomes dos investigados
Valter Campanato / Agência Brasil

A Procuradoria-Geral da República protocolou na noite de terça-feira 3, às 20h11, no Supremo Tribunal Federal (STF), a lista com pedidos de abertura de inquérito a fim de investigar pessoas suspeitas de envolvimento no caso de corrupção da Petrobras. Eles foram citados nos depoimentos da Operação Lava Jato.

Constam, no total, 54 nomes de investigados, 28 pedidos de abertura de inquérito e sete pedidos de arquivamento, estes a respeito de pessoas cujos indícios de irregularidades não eram fortes o suficiente para pedir uma investigação. Entre os envolvidos estão políticos em cargos eletivos, que por terem direito a foro privilegiado devem ser julgados pelo STF. Há, também, pessoas sem foro privilegiado na lista de 54 investigados, mas que foram incluídas pois seus casos são inseparáveis daqueles envolvendo políticos.

Os nomes dos envolvidos não foram divulgados, pois os processos são mantidos sob sigilo. Rodrigo Janot, o procurador-geral da República, pediu o fim do sigilo nesses processos. Cabe ao ministro Teori Zavascki, responsável pelos processos da Operação Lava Jato no Supremo, determinar o fim do sigilo sobre os nomes dos investigados e também autorizar a abertura de inquéritos.

Em depoimentos de delação premiada, prestados no Ministério Público Federal e na Polícia Federal, o doleiro Alberto Youssef citou nomes de autoridades com foro privilegiado, como deputados federais e senadores, que, segundo o doleiro, receberam doações em dinheiro oriundo do esquema de corrupção. Para ter validade, a delação premiada aguarda homologação por parte de Zavascki.

As informações prestadas pelo ex-diretor de Abastecimento da Petrobras Paulo Roberto Costa, por meio de delação premiada, também serão analisadas na formulação de denúncia dos envolvidos.

A Lava Jato é uma investigação da Polícia Federal e do Ministério Público Federal a respeito de uma organização criminosa formada por políticos, funcionários públicos, executivos de empreiteiras e doleiros. As empreiteiras distribuíam entre si contratos com órgãos públicos, em especial a Petrobras, mediante o pagamento de propina e desvio de dinheiro público, que era repassado a partidos políticos.

*Com informações da Agência Brasil