Você está aqui: Página Inicial / Blogs / Parlatório / Aécio recebeu R$ 1 milhão em propina em 1998, diz Machado

Política

Corrupção

Aécio recebeu R$ 1 milhão em propina em 1998, diz Machado

por Redação — publicado 15/06/2016 16h06, última modificação 15/06/2016 18h05
Em delação, ex-presidente da Transpetro detalha participação do senador em esquema de arrecadação ilícita
Lula Marques / Agência PT
Aécio Neves

Aécio Neves também foi implicado por Sergio Machado

Em delação premiada tornada pública nesta quarta-feira 15, o ex-presidente da Transpetro Sérgio Machado detalhou esquema de propina em 1998, envolvendo o PSDB e o então deputado federal Aécio Neves (PSDB-MG), hoje senador.

Em 1998, Sérgio Machado, então líder do PSDB no Senado, Teotônio Vilela, presidente nacional tucano à época, e Aécio Neves teriam definido "um plano de eleger a maior bancada federal possível na Câmara", a fim de viabilizar apoio à candidatura de Neves à presidência da Casa.

A maneira encontrada, disse Machado na delação, foi "ajudar financeiramente" cerca de 50 deputados a se elegerem. Para isso, ainda de acordo com Sérgio Machado, os três pediram à campanha nacional de FHC recursos para ajudar as bancadas. Decidiu-se, então, destinar entre 100 e 300 mil reais a cada candidato. 

Para obter os recursos ilícitos, além de contatos com empresas, procuraram "Luis Carlos Mendonça", que garantiu que parte dos valores, orçados em 4 milhões de reais, viriam da campanha nacional de FHC. Machado também afirma que parte desses recursos ilícitos eram provenientes do exterior e entregues em espécie, em várias parcelas.

Os recursos foram entregues aos próprios candidatos e a seus interlocutores. A maior parcela dos cerca de 7 milhões de reais arrecadados à época "foi destinada ao então deputado Aécio Neves, que recebeu 1 milhão em dinheiro".

Machado também afirmou na delação que o atual senador tucano "com frequência" recebia esses valores por meio de um "amigo de Brasília que o ajudava nessa logística". A delação chega a detalhar quem seria esse intermediário: "jovem, moreno e andava sempre com roupas casuais e mochila".

Machado também relata ter ouvido do ex-ministro Sérgio Motta que Dimas Toledo era nomeado e afilhado político de Aécio e que "todos do PSDB sabiam que Furnas prestava grande apoio ao deputado Aécio via o diretor Dimas Toledo" e que parte do dinheiro para a eleição do Aécio veio de Furnas.

A partir dessa articulação e das "captações" feitas em 1998 e na eleição para prefeito de Belo Horizonte em 2000, o PSDB conseguiu eleger 99 deputados, tornando-se, então, a segunda maior bancada na Câmara.

A Camargo Corrêa foi citada como uma das empresas que fizeram repasses de valores ilícitos em 1998. "A Camargo Corrêa ajudava fortemente e sempre foi um grande doador de campanhas tucanas".

Outro lado

Em nota oficial, publicada também no perfil oficial de Aécio Neves no Facebook, o senador rebateu as acusações de Sérgio Machado: 

"São acusações falsas e covardes de quem, no afã de apagar seus crimes e conquistar os benefícios de uma delação premiada, não hesita em mentir e caluniar. Qualquer pessoa que acompanha a cena política brasileira sabe que, em 1998, sequer se cogitava a minha candidatura à presidência da Câmara dos Deputados, o que só ocorreu muito depois. Essa eleição foi amplamente acompanhada pela imprensa e se deu exclusivamente a partir de um entendimento político no qual o PSDB apoiaria o candidato do PMDB à presidência do Senado e o PMDB apoiaria o candidato do PSDB à presidência da Câmara dos Deputados. A afirmação feita não possui sequer sustentação nos fatos políticos ocorridos à época."