Você está aqui: Página Inicial / Blogs / Parlatório / Avaliação positiva do governo Dilma cai para 9%

Política

Planalto

Avaliação positiva do governo Dilma cai para 9%

por Redação — publicado 01/07/2015 11h58
A presidenta segue perdendo popularidade nos grupos em que tende a ser melhor avaliada, como os mais pobres e menos escolarizados
Roberto Stuckert Filho / PR
Dilma Rousseff e Barack Obama

Dilma com o presidente dos EUA, Barack Obama. Ela aposta na agenda internacional para tentar melhorar sua imagem

A avaliação positiva do governo Dilma Rousseff caiu para 9% de acordo com pesquisa CNI/Ibope divulgada nesta quarta-feira 1º, ante 12% registrados em março deste ano. A marca é a segunda pior da série histórica, superada apenas pelos 7% do ex-presidente José Sarney em junho e julho de 1989. 

Ao mesmo tempo, a avaliação negativa do governo Dilma caiu quatro pontos percentuais entre março e junho e chegou a 68%, ponto mais baixo na série histórica verificada pelo instituto, superando os 64% registrados pelo mesmo Sarney em julho de 1989.

A pesquisa também mostra que cresceu a reprovação à maneira de Dilma governar, de 78% para 83%, também um recorde negativo histórico, e a falta de confiança na presidenta. Em junho, 78% dos eleitores diziam não confiar na petista, enquanto apenas 20% confiam na atual chefe do Executivo. Mais uma vez, os índices são comparáveis aos de Sarney. Em junho de 1989, só 16% confiavam no ex-presidente diante de 80% que não confiavam.

Os números confirmam a brusca queda da popularidade de Dilma verificada desde dezembro, quando entraram em vigor as medidas do ajuste fiscal e ficou clara a situação ruim da economia brasileira. Em dezembro, segundo o CNI/Ibope, 40% avaliavam o governo como ótimo ou bom, contra 27% que o classificavam de ruim ou péssimo. Ao mesmo tempo, 51% diziam confiar nela e 52% avaliavam de forma positiva sua maneira de governar.

A pesquisa CNI/Ibope revela queda significativa na popularidade de Dilma entre os setores em que ela tende a ser melhor avaliada, como entre as pessoas com renda familiar baixa, os que residem na região Nordeste, os que possuem baixo grau de instrução e na faixa da população com 55 anos ou mais.

Tanto no grupo que estudou apenas até a quarta série da educação fundamental quanto entre os que moram na região Nordeste, nos quais Dilma ainda experimenta sua maior popularidade, a queda no número de pessoas que avaliam seu governo como ótimo ou bom teve queda expressiva, de 18% para 13%

Em junho, pesquisa Datafolha que também mostrou queda na popularidade de Dilma revelou que a insatisfação dos eleitores com renda mensal de até dois salários mínimos, outro grupo onde a popularidade da petista é significativa, continua a aumentar.





registrado em: ,