Você está aqui: Página Inicial / Blogs / Parlatório / Aécio e Alckmin foram ao ato em SP com dois réus no STF

Política

Protestos

Aécio e Alckmin foram ao ato em SP com dois réus no STF

por Redação — publicado 14/03/2016 15h28, última modificação 14/03/2016 21h44
Deputados que acompanhavam tucanos são investigados por desvio de dinheiro público e superfaturamento
Reprodução / Facebook
Aécio Neves e Geraldo Alckmin

Aécio Neves e Geraldo Alckmin rumo ao ato em São Paulo

Candidato derrotado por Dilma Rousseff nas eleições de 2014, o senador Aécio Neves (PSDB-MG) foi hostilizado por parte dos manifestantes nos atos de domingo 13 em São Paulo durante a visita que fez à Avenida Paulista ao lado do governador do estado, Geraldo Alckmin.

A reação indica que uma parcela de quem foi às ruas protesta contra o governo petista, mas ao mesmo tempo direciona sua hostilidade à classe política como um todo.

Uma foto divulgada pelo próprio Aécio Neves no caminho para o ato em São Paulo é simbólica dos motivos que levam muitos a fazer tábula rasa com a classe política. O senador tucano, ele próprio citado por cinco pessoas diferentes na Operação Lava Jato, e Alckmin, cujo chefe da Casa Civil é investigado por enriquecimento ilícito e a gestão é afetada pelas denúncias do "merendão", estavam acompanhados de uma turma que não tem muitas prerrogativas para dar lição de moral.

Dois dos acompanhantes de Aécio e Alckmin na imagem são réus no Supremo Tribunal Federal. Um deles é Paulo Pereira da Silva, o Paulinho da Força (SD-SP), deputado investigado por desviar dinheiro público do BNDES. Seu partido, o Solidariedade, bancou a ida de muitos manifestantes ao ato na Avenida Paulista e teve um carro de som no local.

Outro réu no STF que acompanhou Aécio foi o deputado Nilson Leitão (PSDB-MT), investigado por superfaturamento na construção da BR-163 quando foi prefeito de Sinop (MT). Além desse processo, Leitão, que integra a bancada ruralista, é investigado no Supremo por corrupção passiva, incitação ao crime e formação de quadrilha.

No domingo, Leitão discursou no carro de som do Movimento Brasil Livre: "O político hoje não representa vocês, vocês que representam todos nós. Não interessa o poder econômico, não interessa a escolaridade, o que interessa é que somos verde, amarelo, azul e branco. E que não somos vermelho!", disse.

Acompanhavam Aécio também os deputados federais Antonio Imbassahy (PSDB-BA), ex-prefeito de Salvador, que tem um ex-secretário investigado na Justiça Federal da Bahia por improbidade administrativa na construção do metrô da capital baiana, feita por diversas construtoras investigadas na Lava Jato, e Rubens Bueno (PPS-PR), denunciado em dezembro pelo Ministério Público do Paraná por improbidade administrativa.

De acordo com o Datafolha, 21% dos manifestantes presentes na Avenida Paulista têm o PSDB como partido preferido (uma queda em relação aos 37% verificados em março de 2015), mas 68% dos manifestantes não têm preferência por partido nenhum. O PT é o alvo primordial dos manifestantes, mas a situação não está fácil para ninguém.

CORREÇÃO: Ao contrário do publicado originalmente, o deputado Vitor Lippi (PSDB-SP) não se encontrava na van que levou Aécio Neves e Geraldo Alckmin para a Avenida Paulista. Lippi participou dos protestos, mas em Sorocaba (SP).

registrado em: , , ,