Você está aqui: Página Inicial / Blogs / Parlatório / 500 pessoas pedem golpe militar ou impeachment de Dilma em SP

Política

Terceiro turno

500 pessoas pedem golpe militar ou impeachment de Dilma em SP

por Redação — publicado 29/11/2014 17h12, última modificação 29/11/2014 17h23
A avenida Paulista recebeu um ato pedindo a derrubada da presidenta reeleita. Bem menor que o anterior, protesto não contou com o apoio de nenhum político e teve Lobão como principal voz
CartaCapital
ato_sos principal.JPG

Pedido de "socorro" às Forças Armadas: defensores do golpe militar marcaram presença no ato

Um novo ato na avenida Paulista na tarde deste sábado 29, em São Paulo, pediu a imediata derrubada da presidenta Dilma Rousseff. Como das vezes anteriores, os manifestantes dividiam-se entre os que pediam sua saída via golpe militar, e outros que defendiam um impeachment. O comando do efetivo da PM que estava no local afirmou a CartaCapital que 500 pessoas estavam presentes.

Pelo menos três indícios mostram que o movimento pela queda de Dilma perdeu força.

1) No último ato, no dia 16 de novembro, a PM estimou os presentes em 2.500. Hoje; afirmou que eram 500;

2) No o dia 16 eram três os carros de som no local. Hoje era apenas um;

3) Diversos políticos, principalmente do PSDB, marcaram presença no último ato. Estava lá, por exemplo, o senador tucano Aloysio Nunes, candidato a vice na chapa de Aécio Neves. Hoje nenhum político foi à avenida.

Os principais oradores deste sábado foram o cantor Lobão e administradores de páginas conservadoras do Facebook.

Como das últimas vezes, os manifestantes protestavam contra tudo o que consideravam "de esquerda". Foram defendidas pautas como o impeachment da presidenta, a prisão de Lula e Dilma, o fim do Foro de São Paulo, o fim do PT e o fim do "comunismo no Brasil". Haviam ainda faixas e cartazes apoiando Aécio Neves, elogiando a revista Veja e pedindo "socorro" às Forças Armadas.

Belo Horizonte

A adesão em São Paulo foi baixa, mas em Belo Horizonte foi bem menor: choveu e o ato programado para acontecer na Praça da Liberdade, no centro da cidade, não atraiu nem dez manifestantes.

ato_bolivarianism.JPG
O bolivarianismo, o PT e o Foro de São Paulo estão entre os principais preocupações de quem foi à Paulista

 

 

ato_lobao.JPG
O cantor Lobão (de camisa verde) foi o principal orador do ato, ao lado de administradores de páginas de direita no Facebook

ato_nariz de palhaco.JPG
Nariz de palhaço e camisas do Brasil eram algumas das peças preferidas dos manifestantes que pediam a queda de Dilma

ato_cartaz azul.JPG
Cartaz pedindo socorro às Forças Armadas (SOS F.A.) era exibido aos motoristas na avenida Paulista a cada vez que o sinal fechava