Você está aqui: Página Inicial / Blogs / Parlatório / “Perdi a eleição para uma organização criminosa”, diz Aécio

Política

Eleições 2014

“Perdi a eleição para uma organização criminosa”, diz Aécio

por Redação — publicado 01/12/2014 17h55
O senador e ex-candidato à presidência pelo PSDB disse ser representante do sentimento de indignação da população
Reprodução Globo News
Aécio

Aécio Neves: "Eu passei a ser porta voz de um sentimento de mudança e indignação"

Em entrevista veiculada pelo canal Globo News, o ex-candidato à presidência pelo PSDB Aécio Neves afirmou que perdeu as eleições para “uma organização criminosa”. Eu não perdi a eleição para um partido político, eu perdi a eleição para uma organização criminosa que se instalou no seio de algumas empresas brasileiras, patrocinadas por este grupo político que ai está”, acusou Aécio.

Roberto D’Avila, a quem Aécio concedeu entrevista, perguntou como o senador se preparou para uma campanha classificada como “a mais dura desde 1989” pelo jornalista. “Essa campanha passará para a história com duas marcas, diametralmente opostas. A primeira, protagonizada pelos nossos adversários, foi marcada por sordidez, calúnias, ofensas, aparelhamento da máquina pública, chantagem com os mais pobres, dizendo que nós terminaríamos com todos os programas sociais. (...) Essa sordidez para se manter no poder é uma marca perversa que essa eleição deixará”, criticou Aécio.

A segunda marca, segundo o candidato, foi protagonizada por sua campanha, representada por “pessoas que nunca tiveram vinculação partidária, jamais militaram politicamente, mas acreditaram em um país melhor, pegaram as bandeiras e foram para as ruas.”

D'Avila também questionou Aécio sobre seu comportamento durante os debates com a candidata e presidenta Dilma. "Eu tinha que ser firme e sempre busquei ser respeitoso. Nesses debates eu representava um sentimento que eu colhia no dia anterior ou no mesmo dia, eu passei a ser porta-voz de um sentimento de mudança e indignação".

Dilma ganhou as eleições com 54,5 milhões de votos, enquanto Aécio ficou em segundo com 51 milhões. Após o pleito, manifestações pedindo o impeachment da petista e até um golpe militar para barrar um novo governo do PT foram registradas, algumas delas com participação de políticos do PSDB, que atribuem o golpismo a uma fração minoritária dos manifestantes.

O presidente do PT Rui Falcão afirmou em sua conta pessoal do Twitter e em notícia publicada pela Agência PT que o partido interpelará Aécio por ter chamado a legenda de "organização criminosa". "Já estamos interpelando o senador mineiro derrotado. Em seguida, processo crime no STF. O PT não leva recado para casa...", escreveu Falcão.