Você está aqui: Página Inicial / Blogs / Outras Palavras / “Eu era apenas o diretor de Auschwitz”

Política

“Eu era apenas o diretor de Auschwitz”

por Nuno Ramos de Almeida — publicado 18/09/2014 19h07
Lançado em português, livro de entrevistas com líderes do nazismo alerta: experiência hitlerista não foi anormalidade; só lutas sociais podem garantir que não se repetirá
livronazista.jpg.jpg

Dirigentes nazistas em 1942: “Como lembrou Hannah Arendt, nazismo foi manifestação de homens banais e comuns: o seu alegado não pensar era uma forma de pensamento”

[Este é o blog do site Outras Palavras em CartaCapital. Aqui você vê o site completo]

Adorno escreveu que a poesia tinha deixado de fazer sentido depois de Auschwitz, como se houvesse um marco com um antes e um depois, em que o encantamento da vida tivesse sido estilhaçado pela erupção de um mal absoluto. Falamos de encantamento e não de falta de racionalidade ou do uso de uma razão prática. Basta ver o modelo organizacional da “solução final” para perceber que ela não é fruto da crueldade primitiva, mas resultado de uma moderna e científica selvageria.

O problema da ideia de uma ruptura absoluta do curso do fio histórico que teria sido criada pelo nazismo é duplo: por um lado, remete para o domínio da anormalidade, como se uma doença mental se tratasse aquilo que aconteceu, e por outro torna-o um momento excepcional, quase a-histórico, que nunca poderá repetir-se. Ora é necessário dizer, retornando às teses de Hannah Arendt, que o mal nazi é uma manifestação de homens banais e comuns, que escolheram uma forma de pensamento que justificava as consequências dos seus atos: o seu alegado não pensar era uma forma de pensamento. Ora, esse mal banal não foi feito por supervilões, com superpoderes; é fruto, como sempre, de homens e mulheres e das suas circunstâncias. E se é fruto delas, nada nos pode garantir que o acontecido não voltará a acontecer. Aqui a História, que aconteceu em tragédia, não é certo que apenas se repetirá em comédia, para fazer uso da categoria de Hegel, usada por Marx na sua análise das revoluções e guerras em França.

O julgamento dos nazis foi feito em Nuremberg, local em que se passou o 6º congresso do Partido Nacional-Socialista Alemão em 1934, que entronizou Hitler, e foi coreografado pelas câmaras de Leni Riefenstahl, na sua obra-prima de propaganda, O Triunfo da Vontade.

O livro de Leon Goldensohn Entrevistas de Nuremberga é um documento precioso. Nas celas da prisão de Nuremberg, local em que iriam decorrer, entre 20 de Novembro de 1945 e 1º de Outubro de 1946, os julgamentos, oficialmente o Tribunal Militar Internacional versus Hermann Goering e outros 23 responsáveis nazis, o psiquiatra norte-americano responsável pelo acompanhamento do estado de saúde mental dos réus e testemunhas fez uma série de entrevistas. Ficam documentadas conversas com 14 testemunhas e 19 réus, entre os quais o número dois do regime, Hermann Goering, o antigo dirigente do partido Rudolf Hess, o ministro de Negócios Estrangeiros Ribbentrop e o arquiteto do regime e ministro do Armamento, Albert Speer, conhecido como “o bom nazista”.

Estas conversas, tidas pelo psiquiatra, dão-se numa ocasião particular, nas vésperas de um julgamento que levará muitos dos réus ao cadafalso, e obviamente que a circunstância da derrota e da iminente condenação altera aquilo que é dito. Escrito de outra forma: um homem livre não fala da mesma maneira que um prisioneiro, e a mediação e voz do psiquiatra americano está sempre entre nós e o pensamento dos entrevistados. Mas tirando estas questões, que não são poucas, é um documento histórico notável, em que é possível ouvir o eco da voz dos nazistas e tentar entender – coisa muito diferente de apoiar ou justificar – o seu ponto de vista e a sua existência.

As conversas têm um óbvio pendor psicoligizante, em que se aborda a infância, as relações familiares e a adolescência e crescimento dos visados, sem nunca perder os acontecimentos e fatos que levaram ao nascimento, crescimento e queda do regime de Hitler. Podemos ler opiniões tão diversas como o ódio de Goering à arte moderna: “Em geral sou muito cético em relação à pintura moderna. O Picasso, por exemplo, dá-me náuseas. O que eu preferia era a arte gótica”, diz o marechal do ar. Ou a sua opinião de que os nazis poderiam ter evitado o racismo e o anti-semitismo, não fossem alguns fatos particulares: “Não era de modo nenhum uma questão fundamental. Era completamente irrelevante ou incidental. Só passou a ser fundamental ou importante porque uma facção de nazistas que eram expoentes fanáticos do racismo adquiriu poder político. Homens como Rosenberg, Streicher, Himmler e Goebbels”, garante.

Rudolf Höss, comandante de Auschwitz, que foi testemunha no julgamento, posteriormente sujeito a condenação, por um tribunal polaco, e executado, tinha uma visão mais prática da solução final: “É verdade que não se pode ser sentimental — quer para fuzilar pessoas, quer para matá-las em câmaras de gás”, disse, sem deixar de acrescentar: “Não entendo o que quer dizer com ficar perturbado com estas coisas, porque eu pessoalmente não assassinei ninguém. Era apenas o diretor do programa de extermínio de Auschwitz”.

É preciso conhecer a história para não repeti-la. Este livro é muito importante.

-
Nuno Ramos de Almeida é jornalista português, editor-executivo do Jornal I (www.ionline.pt).

registrado em: , ,