Você está aqui: Página Inicial / Blogs / Midiático / Retificação em depoimento de Youssef é "mentira", diz advogado

Política

Retificação em depoimento de Youssef é "mentira", diz advogado

por Redação — publicado 30/10/2014 11h36, última modificação 30/10/2014 11h55
Antonio Augusto Figueiredo Basto nega ligação com o PSDB e diz que vazamento deve ser investigado
Rodrigo_Soldon / Flickr

O advogado Antonio Augusto Figueiredo Basto, coordenador da defesa do doleiro Alberto Youssef, um dos delatores do esquema de corrupção da Petrobras, negou em entrevista ao jornal Valor Econômico que tenha sido realizada, em 22 de outubro, uma retificação no depoimento prestado por Youssef no dia anterior. Na quarta-feira 29, o jornal O Globo publicou reportagem afirmando que a PF suspeita que o depoimento do doleiro citando Lula e Dilma como sabedores do esquema foi "estimulado" com fundo eleitoral.

"Nesse dia [22] não houve depoimento no âmbito da delação. Isso é mentira. Desafio qualquer um a provar que houve oitiva da delação premiada na quarta-feira", afirmou Basto ao Valor"Não houve retificação alguma. Ou a fonte da matéria mentiu ou isso é má-fé mesmo", disse o advogado sobre a reportagem do Globo. Segundo ele, a defesa quer "apuração rigorosa" do vazamento.

De acordo com o Globo, a Polícia Federal investiga como o depoimento de Youssef vazou e suspeita da ação da defesa do doleiro. De acordo com o jornal, Youssef prestou depoimento na terça-feira 21 e não citou Lula ou Dilma. Na quarta-feira 22, diz o jornal, um dos advogados de Youssef pediu para “fazer uma retificação no depoimento anterior”. No interrogatório, afirma o Globo, o advogado “perguntou quem mais, além das pessoas já citadas pelo doleiro, sabia da fraude na Petrobras”. Youssef disse, prossegue o jornal, “acreditar que, pela dimensão do caso, não teria como Lula e Dilma não saberem”.

Ao Valor, Basto disse não ter relação alguma com o PSDB. Por pouco mais de um ano entre 2011 e 2012, ele integrou o Conselho de Administração da Sanepar, a Companhia de Saneamento do Paraná, estado governado por Beto Richa (PSDB). "Eu não tenho nenhuma relação com o PSDB. Me desliguei em 2002 do conselho da Sanepar. Não tenho vínculo partidário e nem pretendo ter. Nem com PSDB, nem com PT, nem com partido algum", disse Basto.

De acordo com o Valor, Youssef disse "em conversas informais com advogados e investigadores", que achava "muito difícil" o presidente da República não ter conhecimento sobre o esquema, responsável por desviar bilhões da Petrobras. Ainda de acordo com o jornal, Youssef teria dito que "todo mundo lá em cima sabia" dos desvios. Youssef, prossegue o Valor, não teria citado nomes ou apresentado provas.

Além da revista Veja, o jornal Folha de S.Paulo publicou reportagem dizendo que Youssef nomeou Lula e Dilma. A TV Globo informou que suas fontes não confirmaram a informação de Veja e classificaram como "distorcida" a denúncia da Folha. O jornal O Estado de S.Paulo afirmou que Lula teria ordenado o pagamento a uma agência de publicidade, a Muranno Marketing/Brasil, envolvida no esquema de corrupção. "Todas as pessoas com quem eu trabalhava diziam o seguinte: ‘todo mundo sabia lá em cima, que tinha aval para operar. Não tinha como operar um tamanho esquema desse se não houvesse o aval do Executivo. Não era possível que funcionasse se alguém de cima não soubesse, as peças não se moviam”, disse Youssef de acordo com o Estadão.

(Por José Antonio Lima)