Você está aqui: Página Inicial / Blogs / Midiático / Lula processa revista Veja por “farsa”; Época deve ser a próxima

Política

Justiça

Lula processa revista Veja por “farsa”; Época deve ser a próxima

O ex-presidente entrou com ação contra os responsáveis pela capa desta semana e avalia processar também a revista Época
por Redação — publicado 29/07/2015 17h33, última modificação 29/07/2015 17h37
Reprodução

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva entrou nesta quarta-feira 29 com uma ação judicial por reparação de danos morais contra os responsáveis pela matéria de capa da revista Veja desta semana. São alvos da ação contra a revista Veja Robson Bonin, Adriano Ceolin e Daniel Pereira, que assinam as reportagens de capa da edição 2.436, que chegou às bancas em 25 de julho, além do diretor de redação Eurípedes Alcântara.

CartaCapital apurou que Lula também avalia com seus advogados a possibilidade de processar a revista Época. A exemplo da publicação da editoria Abril, e revista da editora Globo tem publicado uma série de reportagens contra o ex-presidente –  classificadas como “mentirosas” por sua assessoria.

A revista Veja esta semana afirma que: 1) Lula teria sido “operado” pela OAS. E complementa: “operar, significa, em bom português, comprar”; 2) “Lula patrocinou o esquema de corrupção na Petrobras”; 3) Marcos Valério teria “blindado” Lula e seria um “antigo comparsa” e 4) “o ex-presidente se beneficiou fartamente da farra do dinheiro público roubado da Petrobras”.

A revista não apresentou provas ou documentos de nenhuma das acusações, e baseou todo o seu material em uma suposta intenção do empreiteiro Léo Pinheiro de fazer uma delação premiada. Segundo a revista, Pinheiro teria as informações publicadas. O próprio executivo, contudo, soltou a seguinte nota à imprensa no sábado 25, data em que a revista começou a circular:

“Sobre a reportagem da Veja deste final de semana, José Aldemário Pinheiro e seus defensores têm a dizer, respeitosamente, que ela não corresponde à verdade. Não há nenhuma conversa com o MPF sobre delação premiada, tampouco intenção nesse sentido”.

Os advogados de Lula chamam o texto e a capa de “farsa” e sustentam que tudo foi “inventado” pelos réus. “O texto é repugnante, pela forma como foi escrito e pela absoluta ausência de elementos que possam lhe dar suporte”, destacam os advogados de Lula na ação -- aqui a íntegra da ação.

Ainda de acordo com a defesa de Lula, Eurípedes Alcântara, apesar de não assinar o texto, foi incluído na ação porque “na condição de diretor de redação e diretor editorial da revista Veja aprovou a versão final que foi às bancas. Não há dúvida, portanto, de que o corréu Eurípedes Alcântara também com correu para a prática dos ilícitos expostos.”

A peça reafirma também que, de acordo com jurisprudência do Superior Tribunal de Justiça, “a liberdade de comunicação e de imprensa pressupõe a necessidade de o jornalista e/ou o veículo pautar-se pela verdade”.

A assessoria do ex-presidente diz ainda que “a reportagem repete práticas comuns a Veja: mente, faz acusações infundadas e sem provas, apresenta ilações como se fossem fatos, atribui falas e atos, não tem fontes e busca atacar, de todas as formas, a honra e a imagem do ex-presidente Lula”.

Romário também desmente a revista

Uma segunda reportagem da mesma edição de Veja também deve render um processo. Veja publicou que o senador Romário (PSB-RJ) teria uma conta não declarada em uma agência do banco BSI na Suíça, na qual estariam depositados cerca de 7,5 milhões de dólares.

Romário, que tinha manifestado a intenção de processar a revista, esteve nesta quarta-feira 29 em Genebra. Por meio de suas contas oficiais no Twitter e no Facebook, o ex-jogador da seleção brasileira anunciou que se reuniu com funcionários do banco e que a suposta conta não pertence a ele.

Em entrevista ao jornal O Estado de S. Paulo, Romário afirmou que o banco suíço classificou como “falsos” os extratos e também pretende tomar medidas judiciais. “Mostramos os extratos e o banco garantiu que esses documentos são falsos”, disse Romário. Para ele, trata-se de uma armação para prejudicar sua atuação na CPI do Futebol, que investigará casos de corrupção na CBF, e na possível candidatura a prefeito do Rio de Janeiro, em 2016. “Eles tentaram mais uma vez me destruir, denegrir a minha imagem. Mais uma vez, eles estão mostrando ao mundo que eu sou decente", afirmou.

 

#Chateado. Acabei de descobrir aqui em Genebra, na Suíça, que não sou dono dos R$ 7,5 milhões. pic.twitter.com/7dnaV9JmBX

— Romário (@RomarioOnze) 29 julho 2015

Agora, aqueles que devem, podem começar a contar as moedinhas, porque a conta vai chegar de todas as formas.

— Romário (@RomarioOnze) 29 julho 2015

Eu não finjo ser decente, não faço de conta ser sério e pareço ser correto. Eu sou!!!

— Romário (@RomarioOnze) 29 julho 2015

Eu não finjo ser decente, não faço de conta ser sério e pareço ser correto. Eu sou!!!

— Romário (@RomarioOnze) 29 julho 2015