Você está aqui: Página Inicial / Blogs / Cartas da Esplanada / "Os mais pobres precisam de dinheiro para comprar alimentos"

Sociedade

Entrevista - Alan Bojanic

"Os mais pobres precisam de dinheiro para comprar alimentos"

por Rodrigo Martins publicado 24/09/2014 04h04, última modificação 24/09/2014 12h23
Representante da FAO, Alan Bojanic atribui o êxito brasileiro no combate à fome ao sucesso das políticas de transferência de renda, como o Bolsa Família, e dos programas de alimentação escolar
FAO/Nações Unidas
Alan Bojanic

"A fome não é mais um problema endêmico", diz Alan Bojanic, da FAO

O Brasil tem hoje 3,4 milhões de cidadãos em situação de insegurança alimentar, o equivalente a 1,7% da população nacional. Tais números colocam o País na lista de nações que superaram o problema da fome, segundo o mais recente relatório da Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO, na sigla em inglês), divulgado na terça-feira 16.

Na última década, 15,6 milhões de brasileiros abandonaram a condição de subalimentação, um recuo de 82,1%. Não por acaso, o Brasil tornou-se uma referência mundial no combate à fome, diz Alan Bojanic, representante da FAO no País. “Para ter segurança alimentar, o mais importante é garantir acesso aos alimentos. Os mais pobres precisam de dinheiro para comprá-los, e os programas de transferência de renda implantados na última década tiveram grande êxito nessa tarefa.” Confira, a seguir, os principais trechos da entrevista concedida a CartaCapital.

CartaCapital: O que explica essa redução tão forte do número de subalimentados no Brasil?
Alan Bojanic: Essa redução teve uma repercussão global muito forte, e ajudou a puxar o bom desempenho da América Latina. O Brasil assumiu o compromisso de erradicar a fome, e isso se traduziu em políticas sociais. Para ter segurança alimentar, o mais importante é garantir acesso aos alimentos. Os mais pobres precisam de dinheiro para comprá-los, e os programas de transferência de renda implantados na última década tiveram grande êxito nessa tarefa. Também destacamos o êxito dos programas de alimentação escolar. As crianças têm a possibilidade de ter ao menos três refeições por dia. O Programa de Aquisição de Alimentos da Agricultura Familiar ajudou a fortalecer os pequenos produtores. Agora, eles têm condições de gerar renda e produzir alimentos para a população. Criou-se um circuito virtuoso para assegurar a segurança alimentar da população, sobretudo dos mais pobres.

Subalimentação no Brasil

CC: O relatório da FAO destaca que o Brasil sempre foi um grande produtor de alimentos, mas o drama da fome persistia.
AB: A segurança alimentar não tem relação apenas com a disponibilidade dos alimentos, mas também com o acesso. Os mais pobres tinham uma dieta muito pobre, com baixa quantidade de calorias, de proteínas. Precisamos ter ações em três campos: a produção de alimentos, o acesso a eles e o uso que se faz deles.

CC: A FAO utilizou uma nova metodologia para calcular o seu índice de subalimentação. Qual foi a maior mudança?
AB: Sempre usamos como base a Pesquisa de Orçamento Familiar do IBGE, que não contemplava o enorme contingente de pessoas que se alimentam fora de casa, na escola, no trabalho, nos restaurantes populares. Essa é uma variável fundamental que passou a ser agregada no estudo, não só no caso do Brasil, mas em todos os países monitorados pela FAO. Só de considerar o número de crianças que têm acesso a alimentos nas escolas (43 milhões de estudantes), isso teve um impacto enorme na correção dos números do Brasil.

CC: Por que a FAO não costuma divulgar os porcentuais exatos dos países que estão abaixo de 5% de prevalência da subalimentação? É uma questão de confiabilidade estatística?
AB: Não, é uma questão conceitual. Na verdade, quando um país fica abaixo desse patamar de 5%, entendemos que ele superou a fome estrutural. Isso significa que a fome não é mais um problema endêmico no país, embora possam existir núcleos duros de famintos, que demandam políticas específicas.

CC: Qual é o maior desafio do Brasil daqui para a frente?
AB: Primeiro, precisamos focalizar as políticas públicas nos grupos mais vulneráveis. Ainda temos núcleos duros de pessoas com subalimentação, sobretudo na Amazônia, com os povos ribeirinhos, os indígenas, as comunidades quilombolas. Precisamos de políticas específicas, de maior precisão, para alcançar essas populações. Outro desafio é melhorar a qualidade da nutrição. A população pode ter uma alimentação com elevado número de calorias, mas pobre de proteínas, minerais e vitaminas.

CC: Sabe-se que o indicador da FAO leva em conta o número adequado de calorias para cada pessoa, de acordo com o gênero e a faixa etária dos diferentes segmentos sociais. Ele também é capaz de revelar quão equilibrada é a dieta de cada povo?
AB: Não, porque muitos países não têm essa informação e nós precisamos ter um indicador que possa servir de comparação entre todas as nações monitoradas. De fato, precisamos avançar nessa questão. Até porque um dos temas que mais nos preocupam é o rápido crescimento dos indicadores de obesidade e sobrepeso. Um consumo excessivo de calorias, associado à vida sedentária, é um grave problema a impor desafios também aos países emergentes. Além disso, podemos avançar mais no estímulo aos pequenos produtores. O Brasil é um exemplo em termos de políticas para agricultura familiar, mas sempre há espaço para aperfeiçoá-las.

CC: Atualmente, estima-se que a agricultura familiar seja responsável por 70% dos alimentos consumidos no Brasil...
AB: Exatamente. Os grandes produtores estão voltados para a exportação de commodities, como soja, milho e algodão. Esse último representa uma cultura importante, gera renda, mas não alimenta ninguém. São os pequenos produtores que garantem o abastecimento da população e precisam de mais estímulo. É importante destacar que o mundo avançou muito. Em apenas uma década, conseguimos retirar 200 milhões de pessoas da fome, quase a população total do Brasil. Mesmo com a crise internacional, com a alta nos preços dos alimentos, estamos no caminho correto. Mas ainda temos 800 milhões de famintos no mundo e não podemos deixar de perseguir o objetivo de erradicar a fome em todo o planeta.

Fome na América Latina