Você está aqui: Página Inicial / Blogs / Carta nas Eleições / Marina diz que PT é responsável por "quadrilha" na Petrobras

Política

Petrobras

Marina diz que PT é responsável por "quadrilha" na Petrobras

por Redação — publicado 08/09/2014 17h12
A candidata do PSB, no entanto, evitou atribuir responsabilidades diretas a sua principal adversária, Dilma Rousseff
Leo Cabral/ MSILVA Online
Marina

Durante visita à creche, Marina defendeu investigações sobre escândalos na Petrobras

Durante uma visita a uma creche na capital de São Paulo, em compromisso de campanha, Marina Silva, candidata pelo PSB à presidência da República, disse que o PT é responsável por manter uma “quadrilha que estaria acabando com a Petrobras”. “O atual governo, conivente, deixou que todo esse desmande acontecesse numa das empresas mais importantes do nosso País" afirmou a candidata.

De acordo com Marina, a responsabilidade da sua principal adversária, a presidenta Dilma Rousseff, seria apenas política. “Eu não seria leviana em dizer que ela [Dilma] tem responsabilidade direta pessoalmente. Prefiro que as investigações aconteçam primeiro”, informou aos jornalistas presentes na visita. “Eu confio no trabalho da Polícia Federal. É preciso investigar com rigor e punir os culpados”.

Marina defendeu que não pretende usar as denúncias para ganhar a eleição. "Eu não vou querer ganhar eleição a qualquer custo. Eu quero que todos esses casos, seja o mensalão da época do Lula, seja o mensalão do PSDB em Minas Gerais, seja esse caso lamentável da Petrobras, sejam investigados e os culpados, punidos". Ainda, propôs a nomeação de técnicos, não políticos, para os cargos em estatais brasileiras, caso seja eleita.

As críticas de Marina dizem respeito às investigações sigilosas feitas pela Polícia Federal (PF) na Operação Lava Jato que vazaram à imprensa no último final de semana. Em um depoimento dado sob condição de delação premiada, o ex-diretor da Petrobras Paulo Roberto Costa teria denunciado um esquema de propinas que beneficiava políticos do PT, PP e PMDB, além de Eduardo Campos, candidato à presidência pelo PSB até a sua morte, ocorrida em agosto. Mesmo com o envolvimento do antigo companheiro de chapa, Marina não colocou em dúvida as delações de Costa. “Com certeza, o Ministério Público não iria premiar aquilo que não tenha base na realidade”, disse a candidata.