Você está aqui: Página Inicial / Blogs / Carta nas Eleições / Em vídeo, PT critica aliança de Marina com apoiadores da ditadura

Política

Eleições 2014

Em vídeo, PT critica aliança de Marina com apoiadores da ditadura

por Redação — publicado 01/10/2014 17h45
Campanha de Dilma tenta desconstruir a imagem de que a candidata do PSB representa a "nova política"
Reprodução
Bornhausen, Marina e Fortes

As fotos de Jorge Bornhausen, Marina Silva e Heráclito Fortes no programa do PT

Botão Eleições 2014O PT, que tem entre seus aliados os ex-presidentes José Sarney (PMDB) e Fernando Collor (PTB), ambos ex-integrantes da Arena, partido que sustentava o regime militar, divulgou um vídeo no qual acusa Marina Silva (PSB) de ter alianças com "gente que vem lá do tempo da ditadura".

Os exemplos da "velha política" citados na inserção de 30 segundos são Jorge Bornhausen, ex-governador biônico de Santa Catarina – que migrou recentemente para o PSB, assim como seu filho, Paulo Bornhausen, candidato ao Senado pelo estado – e o ex-senador Heráclito Fortes, candidato a deputado federal pelo PSB no Piauí. Os dois eram integrantes da Aliança Renovadora Nacional (Arena). No vídeo, que apresenta fotos de Bornhausen e Fortes, o PT tenta desconstruir a imagem de que Marina fará uma "nova política". "Se Marina tem alguma coisa de novo, certamente não são as suas companhias”, afirma o locutor do vídeo.

A aparente intenção do PT com o vídeo é obrigar Marina a justificar esses apoios e dificultar a afirmação da tese de que ela se diferencia de outros candidatos por ter alianças menos espúrias.

A propaganda do PT chama a atenção diante da conhecida e amplamente criticada lista de alianças feitas pelo partido nos últimos anos com políticos que apoiavam a ditadura. Além de Sarney e Collor, outra figura que deu apoio importante ao PT no Congresso foi o deputado federal Paulo Maluf (PP), ex-governador biônico de São Paulo. Além disso, o governo Dilma Rousseff carrega em sua lista de ministros um nome que integrou a Arena, Edison Lobão (Minas e Energia), e outro que foi do PFL (sucessor da Arena), Cesar Borges (da secretaria dos Portos).