Você está aqui: Página Inicial / Blogs / Carta nas Eleições / Clube Militar apoia Aécio contra a "sovietização"

Política

Clube Militar apoia Aécio contra a "sovietização"

por Redação — publicado 07/10/2014 17h19, última modificação 09/10/2014 13h39
Eleição do candidato tucano à Presidência pode acabar com a "era petista" e virar "uma página negra" da história, dizem oficiais da reserva
Orlando Brito / Divulgação
Aécio Neves

Aécio Neves durante encontro com trabalhadores da construção civil em São Paulo, nesta terça-feira 7

Botão Eleições 2014O Clube Militar (CM), formado por oficiais da reserva, confirmou na terça-feira 7, o apoio a Aécio Neves (PSDB) na disputa do segundo turno das eleições presidenciais. Segundo a entidade, o tucano é "uma esperança concreta de colocar fim à era petista".

O texto do CM tem uma mudança de tom importante diante do comunicado publicado durante o primeiro turno. No início de setembro, a entidade rejeitou apoio a Marina Silva (PSB) e afirmou defender a candidatura tucana como a "menos pior". Agora, o Clube Militar decidiu "enumerar as vantagens" a favor de Aécio "pela salutar e democrática alternância do poder que ensejará". Segundo os militares, Aécio tem em seu currículo um "excelente desempenho administrativo" no governo de Minas Gerais e afasta, com sua eleição para presidente da República, "a preocupação de vivermos no limbo de uma possível mudança de regime que nos colocaria à margem da democracia, visto que o PSDB, apesar de esquerda, foge ao radicalismo nocivo e extremado".

Mais importante que isso, o CM afirma que a vitória de Aécio é importante para evitar que o Brasil siga pelo caminho da União Soviética comunista. Segundo os oficiais da reserva, o Decreto 8.243, que institui a Política Nacional de Participação Social, "cria sovietes no Brasil" que "pretendem 'aprofundar o socialismo'". A "resistência e recuperação" de Aécio, diz o clube, "dão-lhe as credenciais necessárias para interromper o projeto de poder representado pelo PT, em marcha acelerada para a sovietização do país, virando uma página negra de nossa história".

Abaixo, a íntegra da nota do Clube Militar:

QUE FUTURO QUEREMOS?

Eis que ultrapassamos o passo inicial das eleições gerais brasileiras em 2014!

O cenário político brasileiro, cristalizado em um segundo turno eleitoral entre Dilma e Aécio, apresenta aos brasileiros uma bifurcação com dois possíveis caminhos a serem seguidos.

Há os que não concordam com as mirabolantes teses esquerdistas que falharam em todo o mundo; os que se revoltam com a sequência de escândalos de corrupção gerados e geridos pelo PT e seus militantes; os que acreditam na democracia, na alternância dos partidos no poder, no primado da lei igual para todos, na liberdade de expressão, na independência e na soberania do Brasil, na separação e independência dos Poderes – enfim, os democratas.

Por outro lado, tendendo a um imobilismo político execrável, há os que desejam a permanência do estado de coisas atual. Neste, existe o atrelamento à origem comunista; à subordinação dos interesses nacionais a um terceiro-mundismo mofado e que leva ao isolamento em relação aos maiores centros de poder do mundo; à teimosia obsessiva, arrogância e vaidosa visão messiânica de suas pessoas etc. Nele, perdura o risco das “comissões” previstas no Dec 8243, que cria sovietes no Brasil, e pretendem “aprofundar o socialismo”, um eufemismo para a intensificação dos ataques à democracia e à liberdade. Dilma controla com mão de ferro a falta de política econômica consistente; não consegue disfarçar a revolta por, ainda, depender de seu guru e criador, que interfere acintosamente em sua administração, sendo notório que sua autoestima ficou abalada por ter que disputar um segundo turno, quando contava, inicialmente, vencer no primeiro.

Aécio Neves, habilitado à disputa do segundo turno das eleições presidenciais, é uma esperança concreta de colocar fim à era petista. Sua resistência e recuperação, quando tudo parecia perdido, dão-lhe as credenciais necessárias para interromper o projeto de poder representado pelo PT, em marcha acelerada para a  sovietização do país, virando uma página negra de nossa história.

Pode-se começar a enumerar vantagens a seu favor pela salutar e democrática alternância do poder que ensejará. Sua vitória possibilitará, também, o importantíssimo desaparelhamento do Estado, hoje, executado em prol das intenções do PT. O candidato Aécio, ex-governador de Minas Gerais, trás em seu currículo esse excelente desempenho administrativo. Por fim e muitíssimo relevante, afasta-nos da preocupação de vivermos no limbo de uma possível mudança de regime que nos colocaria à margem da democracia, visto que o PSDB, apesar de esquerda, foge ao radicalismo nocivo e extremado.

Marco Antonio Villa, O Globo de 7/10/2014, foi feliz em sua síntese:

“Basta de PT

A eleição presidencial de 2014 decidirá a sorte do Brasil por 12 anos. Como é sabido, o projeto petista é se perpetuar no poder. Segundo imaginaram os marginais do poder – feliz expressão cunhada pelo ministro Celso de Mello quando do julgamento do mensalão –, a vitória de Dilma Rousseff abrirá caminho para que Lula volte em 2018 e, claro, com a perspectiva de permanecer por mais 8 anos no poder”.