Você está aqui: Página Inicial / Blogs / Carta nas Eleições / Após falar em atualização de leis trabalhistas, Marina diz que CLT é "sagrada"

Política

Eleições 2014

Após falar em atualização de leis trabalhistas, Marina diz que CLT é "sagrada"

por Redação — publicado 18/09/2014 14h04
Candidata do PSB criticou repercussão negativa; ela promete que "atualizações" não vão prejudicar direitos
Vagner Campos/ MSILVA Online
Marina Silva

Candidata criticou o que chamou de "especulações e fofocas"

Botão Eleições 2014A candidata do PSB à Presidência, Marina Silva, afirmou na noite desta quarta-feira 17 que “os direitos dos trabalhadores são sagrados”. A declaração foi uma resposta à repercussão negativa causada por outra afirmação da própria ex-senadora, feita no dia anterior. Em um evento com jovens empreendedores, Marina havia dito que ia “atualizar as leis trabalhistas”, caso fosse eleita, mas “sem prejuízo das conquistas que os trabalhadores a duras penas alcançaram”,

"Os direitos dos trabalhadores precisam ser respeitados, todas as suas conquistas devem e precisam ser respeitadas”, garantiu antes de criticar o que chamou de “fofoca”. “Não vou ficar tratando de especulações, fofocas que estão sendo espalhadas no Brasil inteiro. Temos um programa que é claro. A defesa dos direitos dos trabalhadores é sagrada para nós”, complementou.

A candidata não deixou claro, no entanto, quais serão essas atualizações que não ferem, segundo ela, os direitos já conquistados pelos trabalhadores. A polêmica levou a presidenta e candidata do PT à reeleição, Dilma Rousseff, a defender a CLT (Consolidação das Leis do Trabalho). Segundo Dilma, o governo não fará reformas que reduzam direitos “nem que a vaca tussa”.

“Eu não mudo direitos na legislação trabalhista. Férias, décimo terceiro, FGTS [Fundo de Garantia do Tempo de Serviço], hora extra, isso não mudo nem que a vaca tussa”, enfatizou a candidata, em entrevista após encontro com empresários na Associação Comercial e Industrial de Campinas, no interior paulista. Mas a presidenta também afirmou que algumas mudanças são necessárias. De acordo com a petista, é possível fazer adaptações na lei, mas sem reduzir direitos, como no caso de trabalho de jovens aprendizes em micro e pequenas empresas.