Você está aqui: Página Inicial / Blogs / Carta nas Eleições / Ao Jornal Nacional, Pastor Everaldo diz que vai “privatizar tudo”

Política

Eleições 2014

Ao Jornal Nacional, Pastor Everaldo diz que vai “privatizar tudo”

por Redação — publicado 19/08/2014 21h19, última modificação 19/08/2014 21h42
Ao final da sabatina, o candidato do PSC se posicionou contra o aborto, a legalização das drogas e o casamento gay
Reprodução/TV Globo
Pastor Everaldo no Jornal Nacional

Candidato foi bastante questionado por seu passado político e recebeu a pecha de "principiante"

O Jornal Nacional, da TV Globo, entrevistou na noite desta terça-feira 19 o candidato do PSC à Presidência, Pastor Everaldo. O líder religioso aproveitou a participação para apresentar algumas das ideias de seu plano de governo. De acordo com ele, se eleito, sua gestão será baseada na “meritocracia”, pouca intervenção do Estado na economia e, principalmente, na privatização de empresas nacionais, como a Petrobras.

“Defendo um Estado mínimo e redução do número de ministérios de 39 para 20. Eu vou privatizar tudo que for possível. Vou privatizar a Petrobras. Uma empresa que foi orgulho nacional hoje é foco de corrupção. Então, eu vou privatizar. Tudo o que for possível passar para iniciativa privada, nós vamos passar e pegar recursos para alocar”, afirmou depois de ser questionado, repetidas vezes, por já ter apoiado as gestões Lula e Dilma.

Diante da pressão dos apresentadores, o pastor disse que acreditava ser de esquerda anteriormente e relacionou sua posição política à sua infância pobre na favela. “O discurso da esquerda sempre me cativou. Vim de uma família humilde. Nasci na favela do Acari [no Rio de Janeiro]. Para mim era uma proposta interessante. Acreditei o tempo todo. Mas vi que aconteceu um aparelhamento do Estado. Hoje o governo está sufocado, querendo tomar conta de tudo. E eu sempre venci na vida com meritocracia”, repetiu.

O candidato ainda foi bastante questionado por seu passado político. Chamado de principiante pelos âncoras do Jornal Nacional, Pastor Everaldo teve de responder se acreditava que “qualquer um” poderia ser presidente da República, em referência ao fato dele nunca ter ocupado cargos como deputado, governador e senador.

“Eu acredito que uma pessoa como eu [pode ser presidente]. Com minha experiência de vida. Uma pessoa que camelou na feira, foi servente de pedreiro. Fui office boy, estudei em escola pública e passei para a iniciativa privada. Sou um vencedor. Deus me ajudou. Tive minha experiência. Milito na vida política desde 1981. Sou um constante aprendiz e estou preparado”, argumentou.

Ao final da sabatina, nos minutos em que podia falar ao eleitor o que bem entendesse, o candidato do PSC se posicionou contra o aborto, a legalização das drogas e o casamento gay. “Refaço meu compromisso em defesa da vida desde sua concepção. Defendo a família como está na Constituição. Casamento, pra mim, é homem e mulher. Sou contra a legalização das drogas”, complementou.