Você está aqui: Página Inicial / Blogs / Blog do Serapião / Paulo Roberto Costa vai para prisão domiciliar

Política

Operação Lava Jato

Paulo Roberto Costa vai para prisão domiciliar

por Fabio Serapião — publicado 30/09/2014 18h13, última modificação 30/09/2014 18h34
Ex-diretor da Petrobras ganhou benefício após cooperar com investigação e processos que investigam a ação do doleiro Alberto Youssef junto a empresas públicas.

Depois de prestar uma série de depoimentos como colaborador premiado no âmbito das investigações da Operação Lava Jato, o ex-diretor de Abastecimento da Petrobras Paulo Roberto Costa deixará a prisão e permanecerá no regime de prisão domiciliar. A medida foi tomada pelo juiz Sérgio Moro, da 13ª Vara Federal Criminal de Curitiba, após o Ministério Público Federal e a defesa de Costa solicitarem o benefício devido à colaboração do acusado nos inquéritos e processos.

De acordo com a Justiça do Paraná, caberá à Polícia Federal a fiscalização do cumprimento das regras da prisão domiciliar. Alvo da Lava Jato, Costa foi detido à época da deflagração da operação, mas ganhou liberdade após decisão do ministro Teori Zavascki, em maio. Entretanto, no dia 11 de junho voltou a ter a prisão decretada após um trabalho de cooperação internacional das autoridades brasileiras rastrear milhões em contas de sua titularidade no exterior.

Os depoimentos de Costa começaram no dia 29 de agosto e estenderam-se até a última semana. Foram cerca de cem encontros com procuradores do Ministério Público Federal e delegados da Polícia Federal nos quais o ex-diretor da estatal teria narrado os pormenores da relação entre as empresas ligadas a Alberto Youssef, um pool de empreiteiras e bilionárias licitações na Petrobras. Devido ao surgimento de pessoas como foro privilegiado, os depoimentos foram criptografados e enviados ao ministro Teori Zavascki, relator do inquérito da Lava Jato no Supremo Tribunal Federal.

A transferência de Costa para sua casa, no Rio de Janeiro, deve acontecer na quinta-feira 1.

Abaixo íntegra da nota da Justiça Federal do Paraná:

Na presente data, 30/09/2014, o Juízo da 13ª Vara Federal Criminal de Curitiba concedeu ao Sr. Paulo Roberto Costa, acusado nas ações penais 5026212-82.2014.404.7000 e 5025676-71.2014.404.7000, o benefício da prisão domiciliar. A fiscalização do cumprimento das regras da prisão domiciliar ficará a cargo da Polícia Federal. O benefício em questão foi solicitado pelo Ministério Público Federal e pela Defesa diante de aparente colaboração do acusado com a Justiça criminal.

A colaboração premiada é um método de investigação moderno e especialmente valioso para elucidar crimes complexos, nos quais, por vezes, somente quem tem conhecimento dos detalhes da atividade criminal são os próprios agentes. As informações prestadas pelo colaborador ficam sempre sujeitas à verificação e à corroboração.

Paulo Roberto Costa foi anteriormente preso preventivamente em decorrência de investigações e ações penais conduzidas pelo Ministério Público Federal e pela Polícia Federal e estava até então recolhido à prisão em Curitiba.