Sustentabilidade

Queimadas quase dobram no Brasil em novembro na comparação com 2021, aponta MapBiomas

Segundo o documento, 81% das terras queimadas ficam na Amazônia

Foto: Bruno Kelly/Amazônia Real
Apoie Siga-nos no

As queimadas devastaram 775 mil hectares do território brasileiro em novembro, 89% a mais que no mesmo mês do ano passado. A conclusão é de um relatório do MapBiomas, produzido por uma rede colaborativa de ONGs, universidades e empresas de tecnologia.

Segundo o documento, 81% das terras queimadas ficam na Amazônia. O MapBiomas usa imagens de satélite para rastrear a destruição da Floresta Amazônica e de outras regiões do Brasil.

A plataforma informou, em nota, que os dados confirmam a escalada de destruição ambiental nos últimos meses do governo de Jair Bolsonaro (PL).

Desde que ascendeu ao poder o ex-capitão, defensor da expansão do garimpo e da agricultura na Amazônia, as queimadas e o desmatamento da floresta têm se agravado.

Para o Mapbiomas, a disparada das queimadas em novembro é incomum, já que o mês coincide com a temporada de chuvas.

“Trata-se, claramente, de uma reação à expectativa de políticas mais efetivas de combate ao desmatamento e queimadas por parte do novo governo”, afirmou Ane Alencar, coordenadora do Mapbiomas Fogo e diretora de Ciência do Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia.

Com os dados de novembro, a superfície queimada nos primeiros 11 meses de 2022 alcançou 15,9 milhões de hectares (uma área um pouco menor que o território do Uruguai), segundo a plataforma. Trata-se de um aumento de 13% em relação ao mesmo período de 2021. Quase metade da área queimada (48%) fica na Amazônia.

(Com informações da AFP)

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo