Economia

Novo Fundo Clima aprova aplicação de R$ 10 bilhões para financiar transformação ecológica

Recursos financiarão projetos do setor público, de empresas privadas e do terceiro setor em seis áreas prioritárias

Reunião do Fundo Clima no auditório do Prevfogo, em Brasília. Foto: MMA/Divulgação
Apoie Siga-nos no

O Comitê Gestor do Fundo Nacional sobre Mudança do Clima (Fundo Clima) aprovou o relatório das atividades de 2023 e novas regras para a aplicação do financiamento de projetos que promovam o desenvolvimento sustentável. As mudanças disponibilizarão até 10,4 bilhões de reais para projetos, estudos e empreendimentos voltados ao combate à crise climática.

O valor foi aprovado em reunião nesta quarta-feira 13 na sede do Ibama, em Brasília. Criado em 2009, o Fundo Clima foi retomado e reformulado em 2023 após quatro anos de virtual paralisação.

A iniciativa disponibiliza recursos em duas modalidades: a reembolsável, gerida pelo BNDES, e a não-reembolsável, operada pelo MMA.

Parte dos recursos foi captada no ano passado pela emissão dos primeiros títulos soberanos sustentáveis, ou títulos da dívida externa com critérios sustentáveis. O lançamento dos títulos foi realizado em setembro, na Bolsa de Valores de Nova York, pela ministra Marina Silva e o ministro da Fazenda, Fernando Haddad.

Os recursos financiarão projetos do setor público, de empresas privadas e do terceiro setor em seis áreas prioritárias:

  • Desenvolvimento Urbano Resiliente e Sustentável;
  • Indústria Verde;
  • Logística de Transporte, Transporte Coletivo e Mobilidade Verde;
  • Transição Energética (geração solar e eólica, e biomassa, eficiência energética, entre outros);
  • Florestas Nativas e Recursos Hídricos; e
  • Serviços e Inovação Verdes.

“Os projetos que forem aprovados para receber financiamento pelo fundo terão indicadores ambientais de qualidade. Apresentarão dados sobre o quanto evitaram em emissões de gás carbônico, o quanto geraram em ganho de capacidade energética, por exemplo, e o quanto recuperaram em reflorestamento”, afirmou o diretor de Planejamento e Estruturação do BNDES, Nelson Barbosa.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo