Marina Silva: “É a primeira vez que o Brasil é um pária ambiental”

A ex-ministra é descrente de que o governo realize as medidas necessárias para se romper um ciclo de destruição ambiental

A historiadora, psicopedagoga, ambientalista e líder da Rede Sustentabilidade, Marina Silva. Foto: Wanezza Soares/CartaCapital

A historiadora, psicopedagoga, ambientalista e líder da Rede Sustentabilidade, Marina Silva. Foto: Wanezza Soares/CartaCapital

Sustentabilidade

O Ministério do Meio Ambiente não foi incorporado à pasta da Agricultura como desejou Jair Bolsonaro em um primeiro momento, mas, em um ano de governo, teve seus interesses alinhados aos desejos de grileiros, garimpeiros ilegais e manda-chuvas do agronegócio.

No comando geral da pasta, que viu crescer os índices de desmatamento da Amazônia em 29,5%, segundo o Deter, está o “primeiro ministro do meio ambiente que é antiambientalista”. É assim que Ricardo Salles é descrito por Marina Silva, ex-ministra da pasta nos anos de governo Lula e ex-candidata à Presidência da República.

Marina Silva foi a convidada de CartaCapital para comentar o ano de 2020 em 10 pontos sobre o meio ambiente. Um dos nomes mais importantes do ativismo ambientalista no Brasil e no mundo – Marina é ganhadora do prêmio Campeões da Terra de 2007, concedido pela Organização das Nações Unidas -, a ex-ministra é descrente de que 2020 possa fazer com que o governo realize as medidas necessárias para se romper um ciclo de destruição no âmbito nacional e internacional.

A esperança, para ela, ainda reside pela atuação da sociedade civil e da comunidade científica, que disputam as narrativas do negacionismo institucionalizado do governo Bolsonaro. Confira a entrevista completa:

 

Junte-se ao grupo de CartaCapital no Telegram

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

É repórter do site de CartaCapital.

Compartilhar postagem