Política

Desmatamento na Amazônia registra queda de 22% em 1 ano

Os dados foram divulgados nesta quinta-feira 9 pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais, o Inpe

Foto: Arquivo/MMA
Apoie Siga-nos no

A taxa de desmatamento na Amazônia atingiu a menor marca desde 2019, segundo dados apresentados nesta quinta-feira 9 pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais, o Inpe.

O sistema Prodes apontou o desmatamento de 9.001 km² entre agosto de 2022 e julho de 2023, uma queda de 22,3% em relação ao período anterior, de agosto de 2021 a julho de 2022.

Essa metodologia considera sempre o intervalo de agosto de um ano a julho do ano seguinte. No resultado de 2023, portanto, há cinco meses do governo Jair Bolsonaro (PL) e sete do governo Lula (PT).

Para chegar aos dados, o sistema utiliza imagens de satélite mais precisas do que aquelas usadas em outro instrumento do Inpe, o Deter, que emite alertas diários para apoiar a fiscalização em campo realizada por Ibama e ICMBio. A taxa Prodes resulta da comparação de imagens de satélite do período seco na Amazônia no ano atual com imagens do período seco no ano anterior.

Os dados do Deter já sinalizavam uma reversão da curva de desmatamento na região a partir do início deste ano, com uma queda de 42% de janeiro a julho de 2023. Entre agosto e dezembro de 2022, houve uma alta de 54%.

Segundo o Ministério do Meio Ambiente, a queda de 22,3% no desmatamento é resultado da intensificação de ações de comando e controle, com destaque para o aumento de 104% dos autos de infração aplicados pelo Ibama por atos contra a flora na Amazônia. As apreensões aumentaram 61%, os embargos, 31%, e a destruição de equipamentos, 41%.

Os dados do Inpe também indicaram uma redução de 58% na taxa de desmatamento nas Unidades de Conservação, além de uma alta de 320% nos autos de infração aplicados pelo ICMBio.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor…

O bolsonarismo perdeu a batalha das urnas, mas não está morto.

Diante de um país tão dividido e arrasado, é preciso centrar esforços em uma reconstrução.

Seu apoio, leitor, será ainda mais fundamental.

Se você valoriza o bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando por um novo Brasil.

Assine a edição semanal da revista;

Ou contribua, com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo