Sustentabilidade

Desmatamento da Amazônia cai 60% em janeiro, aponta Imazon

Esse é o 10º mês consecutivo de redução no índice de derrubada da floresta

O delegado aconselha os cidadãos: evitem comprar madeira da Amazônia. Faça a sua parte - Imagem: Felipe Werneck/Ibama
Apoie Siga-nos no

O desmatamento da floresta amazônica teve uma queda de 60% em janeiro de 2024, quando comparado com o mesmo período do ano passado. O resultado consta no novo boletim do Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia (Imazon), divulgado nesta quarta-feira 21, e é o melhor para o mês desde 2018, quando apenas 70 km² de floresta foram derrubados.

Segundo o relatório de monitoramento da região, a área devastada na Amazônia em janeiro foi de 79 km². No ano passado, no mesmo período, a floresta foi reduzida em 198 km². Os dados são produzidos a partir de imagens do satélite e integram o chamado SAD, o Sistema de Alerta de Desmatamento.

A maior parte deste desmatamento, aponta o sistema, ocorreu em áreas privadas ou sob diversos estágios de posse. Neste grupo estão 72% dos 79 km² derrubados. “O restante do desmatamento foi registrado em Assentamentos (20%), Unidades de Conservação (7%) e Terras Indígenas (1%)”, lista o instituto no boletim.

Já na comparação com dezembro de 2023 a redução é pouco menor. Naquele mês, o desmatamento, segundo o instituto, foi de 108 km². Apesar da queda, o índice ainda é considerado significativo. Não por acaso, o governo federal tem ampliado o cerco na região com o objetivo de zerar o índice até 2030.

Os resultados indicados pelo relatório divulgado nesta quarta reafirmam a tendência de queda observada ao longo de 2023. Isso porque, com a oficialização dos dados de janeiro, o País chega ao 10º mês consecutivo de redução de desmatamento na Amazônia Legal.

O boletim do Imazon mostra, ainda, que Roraima segue com o pior índice de desmatamento. com 32 km² desflorestados ou 40% do total da região. Mato Grosso e Pará aparecem logo em seguida com 19 km² e 14 km² de área devastada, respectivamente. Os três estados, apesar dos piores índices no mês, registraram queda na comparação com o ano passado.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Os Brasis divididos pelo bolsonarismo vivem, pensam e se informam em universos paralelos. A vitória de Lula nos dá, finalmente, perspectivas de retomada da vida em um país minimamente normal. Essa reconstrução, porém, será difícil e demorada. E seu apoio, leitor, é ainda mais fundamental.

Portanto, se você é daqueles brasileiros que ainda valorizam e acreditam no bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo