Sustentabilidade

Com Bolsonaro, desmatamento na Amazônia cresce 34%

Levantamento feito pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) mostra que o desmatamento superou 10 mil km² no último ano

(Foto: Felipe Werneck/Ibama)
(Foto: Felipe Werneck/Ibama)

Sob o governo de Jair Bolsonaro, a Amazônia teve um desmatamento 34% maior entre agosto de 2018 e julho de 2019. É o que mostra um levantamento feito pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), divulgado nesta terça-feira 9, a partir de dados do Prodes, o sistema que aponta números da devastação florestal na região.

A área desmatada foi superior a 10 mil km², a pior taxa desde 2008.  “A taxa consolidada de desmatamento tem um valor 3,76% acima da taxa estimada em novembro de 2019, que foi de 9.762 quilômetros quadrados”, disse o Inpe em comunicado.

 

Recentemente o governo de Bolsonaro, que vem sendo alvo de críticas dentro e fora do Brasil por sua política ambiental, ativou o Conselho da Amazônia e colocou sua coordenação sob responsabilidade do vice-presidente, Hamilton Mourão.

O governo então decidiu enviar as Forças Armadas para combater crimes ambientais na região a exemplo do que fez no ano passado, mas a atuação ainda não foi sentida nos dados.

Assine nossa newsletter

Receba conteúdos exclusivos direto na sua caixa de entrada.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fonte confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!