Verba para vacinas pode ser reduzida em orçamento para 2020

Projeto de Lei Orçamentária (PLOA) ainda precisa ser analisado pelo Congresso Nacional

STF vai decidir se Estado pode obrigar pais a vacinarem os filhos. Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

STF vai decidir se Estado pode obrigar pais a vacinarem os filhos. Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Sociedade

O Orçamento federal para 2020 reduzirá em 7% a verba para compra e distribuição de vacinas pelo Sistema Único de Saúde (SUS), de acordo com o Projeto de Lei Orçamentária Anual 2020 (PLOA 2020). Segundo informa o site G1, o Ministério da Saúde afirmou que o corte não afetará ações do Calendário Nacional de Vacinação.

A redução deve chegar a quase 400 milhões de reais, mas a proposta ainda precisa ser analisada pelo Congresso Nacional. Em 2019, o montante destinado para a Saúde foi de 122,2 bilhões. O Projeto de Lei Orçamentária quer destinar 134,8 bilhões.

Dentro desse valor, 4,9 bilhões devem ser dedicados à aquisição e distribuição de imunobiológicos e insumos, valor menor do que em 2019, de 5,3 bilhões. O Ministério da Saúde afirma que diminuiu custos com compras em quantidade.

Vacinas contra febre amarela, rotavírus, poliomielite e tetra viral já foram compradas, diz a pasta. Em caso de surtos, os valores podem ser remanejados.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem