Sociedade

Vale já lucrou R$ 235 bilhões desde crime em Brumadinho; cinco anos depois, atingidos ainda cobram reparação

Rompimento de barragem da mineradora matou 272 pessoas e causou danos ambientais a 26 municípios de MG

A tragédia em Brumadinho. Foto: Ricardo Stuckert
Apoie Siga-nos no

Cinco anos após a Vale cometer o maior crime ambiental e trabalhista da história do país, a história do desastre pouco afeta o principal objetivo da companhia: gerar lucro. Desde janeiro de 2019, quando uma barragem da empresa em Brumadinho se rompeu causando a morte de 272 pessoas, a mineradora já ganhou quase 48 bilhões de dólares – cerca de R$ 235 bilhões na cotação atual da moeda dos Estados Unidos. Ao mesmo tempo, atingidos pelo desastre ainda reclamam das indenizações pelo caso.

O lucro acumulado em cinco anos já considera um prejuízo de 1,6 bilhão de dólares (cerca de R$ 8,2 bilhões hoje) registrados em 2019, ano da tragédia. Considera também um lucro de 22 bilhões de dólares (mais de R$ 110 bilhões atualmente) obtido em 2021, durante o auge da pandemia do coronavírus e que, até hoje, é o segundo maior ganho já registrado na história por uma empresa nacional.

Os dados sobre os lucros foram informados pela própria Vale em divulgações de seus resultados financeiros. De acordo com os documentos, a empresa também já faturou mais de 204 bilhões de dólares (aproximadamente R$ 1 trilhão) com suas atividades. Desembolsou também 17 bilhões (R$ 83 bilhões) com despesas relacionadas a Brumadinho. Esse valor, aliás, é bem superior ao que a empresa comprometeu-se a investir para reparar os danos causados pelo desastre: R$ 37,7 bilhões.

Lucro da Vale pós-Brumadinho

2019 – menos US$ 1,683 bilhão (prejuízo)
2020 – US$ 4,881 bilhões
2021 – US$ 22,445 bilhões
2022 – US$ 16,728 bilhões
2023 – US$ 5,565 bilhões (até setembro)
Total – US$ 47,936 bilhões

Despesas da Vale relacionadas a Brumadinho

2019 – US$ 7,402 bilhões
2020 – US$ 5,257 bilhões
2021 – US$ 2,576 bilhões
2022 – US$ 1,151 bilhões
2023 – US$ 0,687 bilhão (até setembro)
Total – US$ 17,703 bilhões

Procurada pelo Brasil de Fato, a Vale não detalhou como gastou os R$ 83 bilhões com Brumadinho. Esther Maria Guimarães, doutoranda em Economia pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), afirmou que o valor inclui impostos, investimentos em capital, despesas financeiras e até capital de giro. Isso, portanto, não está necessariamente relacionado à reparação de danos.

Sobre os R$ 37,7 bilhões prometidos no acordo firmado com o governo de Minas, Ministério Público e Defensoria Pública, a Vale informou que cerca de R$ 25 bilhões – aproximadamente 68% – já foram executados.

“Apesar da empresa dizer ter gasto mais de 60% do que prometeu, a gente até hoje segue com problemas básicos: muitas comunidades têm problemas em relação à água, tem comunidades tentando ser reassentadas, tem a questão da contaminação”, afirmou Marina Paula Oliveira, atingida pelo rompimento da barragem da Vale e autora do livro O preço de um crime socioambiental (Editora Dialética, 2023).

Oliveira deixou Brumadinho após receber ameaças, difamações, constrangimentos e intimidações por suas críticas à Vale. Voltou no final de 2022. Segue, porém, desconfiando dos dados que a empresa apresenta sobre as suas ações relacionadas à tragédia.

“A gente não pode confiar em nenhum tipo de informação que a Vale fornece”, afirmou. “Uma empresa que falsificou, que comprou um teste de estabilidade de uma barragem que já estava instável desde 2017. Como confiar nesse tipo de empresa?”

Crime compensa

Mauricio Weiss, economista e professor da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), ressaltou que o crime da Vale cometeu e mesmo o valor empregado pela empresa para repará-lo não afetaram sua saúde financeira e, principalmente, o retorno que ela dá a acionistas.

Ele explicou que isso tem a ver com a dinâmica como grandes mineradoras operam atualmente. Sua atividade – extrair ferro do meio ambiente – gera impacto ambiental inexoravelmente. A empresa só calcula se o custo desse impacto e o risco de sua atividade compensam pelos lucros que ela pode obter e a potencial alta de suas ações.

No caso da tragédia de Brumadinho, o valor que a empresa gastou até agora para reparar os danos que ela causou é quase dez vezes menor do que ela lucrou. Levando em conta essa lógica, para a Vale, o crime compensou.

“A única forma de afetar essas empresas é através de multas bilionárias, impedir de atuar, punir os dirigentes, acionistas majoritários e o conselho administrativo”, afirmou Weiss. “No caso da Vale, muito pouco foi feito. O mesmo no caso da Braskem, em Maceió.”

Até hoje, nenhuma pessoa ligada à Vale foi responsabilizada pelas 272 mortes. O mesmo ocorreu no caso da Braskem, cuja atividade danificou 14 mil imóveis em Maceió.

Weslley Cantelmo, economista e presidente do Instituto Economias e Planejamento, afirmou que a Vale fatura muito com sua operação na Serra dos Carajás, no Pará. Para seus acionistas, apesar do discurso público sobre sustentabilidade, isso é o que importa. “Por mais que se tenha uma perda de valor momentânea, a recuperação é rápida. A preocupação do acionista, infelizmente, é com a perspectiva de ganho”, disse.

No caso da Vale, explicou Cantelmo, a perspectiva de ganho é alta porque existe alta demanda pelo seu produto, o minério de ferro, principalmente vinda da China.

Em 2019, depois da tragédia, a ação da empresa baixou para cerca de R$ 45 na bolsa de valores de São Paulo, a B3. Em 2021, chegou a R$ 115. Hoje, vale cerca de R$ 70.

Às nossas custas

Guilherme Camponez, da coordenação mineira do Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB), acrescentou que a Vale também é muito lucrativa pelos incentivos que o Estado brasileiro deu e ainda dá à companhia.

A Vale, primeiramente, extrai minério que pertence à nação usando tecnologia que ela desenvolveu parcialmente enquanto era uma empresa estatal – ela foi privatizada em 1997, durante o governo do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB).

Camponez disse que o Estado brasileiro cobra royalties irrisórios pelo minério extraídos; são isentas de Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) para estimular suas exportações; e ainda é beneficiária de subsídios para sua conta de energia elétrica, que acabam sendo custeados por todos os outros consumidores.

O militante ressalta que tudo isso faz o negócio da empresa valer muito a pena, mas às custas da própria população. “O que mantém a lucratividade da Vale é o sangue dos atingidos, o suor dos seus trabalhadores, a negação da preservação do meio ambiente, o dinheiro do contribuinte”, resumiu.

Questionada sobre sua lucratividade, a Vale não se pronunciou.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo