CartaExpressa

Sobe para 162 número de mortes após enchentes no Rio Grande do Sul

Boletim da Defesa Civil divulgado às 19h desta quarta ainda contabiliza 75 desaparecidos e 806 feridos

Estragos causados pelas chuvas no Rio Grande do Sul. Foto: Nelson ALMEIDA / AFP
Apoie Siga-nos no

A Defesa Civil do Rio Grande do Sul confirmou mais uma morte em razão das fortes chuvas que castigaram o estado nas últimas semanas, totalizando 162 vítimas da tragédia. O boletim divulgado às 19h desta quarta-feira 22 ainda contabiliza 75 desaparecidos e 806 feridos.

No total, 467 municípios foram afetados, sendo que 68.345 pessoas continuam desabrigadas (que tiveram suas casas destruídas pelas chuvas) e 581.633 estão desalojadas (gaúchos que tiveram de deixar suas residências, de forma definitiva ou temporária).

O governo estadual informou que 82.666 pessoas foram resgatadas até o momento.

Depois de quase três semanas de interrupção devido à inundação causada pelo lago Guaíba, a rede de ensino municipal de Porto Alegre começou a retomar suas atividades na última segunda-feira 20. O retorno será gradual, segundo a administração local.

Na rede estadual de ensino, 1.060 escolas foram afetadas em 248 municípios, o que impactou quase 379 mil estudantes. No total, 567 escoladas foram danificadas e 67 estão servindo de abrigo para os moradores que perderam suas casas em meio a uma catástrofe climática sem precedentes no estado.

Cerca de 1.847 escolas já retornaram às aulas, informou a Defesa Civil. Outras 493 ainda não voltaram e 325 delas ainda não têm data prevista.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo