Sociedade

Renda domiciliar bate recorde, mas 1% mais rico ainda ganha quase 40 vezes mais que os 40% mais pobres

O rendimento médio mensal domiciliar per capita chegou a 1.848 reais, um crescimento de 11,5%. Proporção de lares beneficiados pelo Bolsa Família também cresceu

Foto: iStock
Apoie Siga-nos no

Em 2023, o rendimento domiciliar da população brasileira atingiu um nível recorde, somando 398,3 bilhões de reais. É o que mostra a edição mais recente da PNAD Contínua, divulgada pelo IBGE nesta sexta-feira 19.

Esse montante representa um crescimento de 12,2% em relação a 2022 e de 9,1% comparado a 2019, e é o mais alto desde o início da série histórica da PNAD Contínua, em 2012.

O rendimento médio mensal domiciliar per capita também bateu recordes, atingindo 1.848 reais em 2023, um crescimento de 11,5% em relação aos 1.658 reais registrados em 2022.

Em termos demográficos, o número de pessoas que possuem alguma renda saiu de 95,2 milhões de pessoas em 2022 para 99,2 milhões.

Bolsa Família

Houve também um aumento significativo na proporção de lares brasileiros beneficiados pelo Bolsa Família. Os dados apontam que 19% dos domicílios contavam com algum membro recebendo o auxílio em 2023, ante 16,9% registrados em 2022 e 14,3% em 2019.

Entre 2019 e 2023, os domicílios beneficiários do programa viram seu rendimento per capita aumentar 42,4%, passando de 446 reais para 635 reais. Nos lares que não recebiam o benefício, o crescimento foi de apenas 8,6%, passando de 2.051 reais para 2.227 reais.

Desigualdade

Apesar dos avanços, a desigualdade acentuada colaborou para que o 1% mais rico da população brasileira ganhasse em 2023, em média, cerca de 39,2 vezes mais que os 40% mais pobres. O rendimento médio per capita do grupo foi de 20.664 reais.

Entre os 40% mais pobres, o rendimento médio chegou a 527 reais, maior patamar já registrado na série histórica. Em 2022, a média era de 468 reais e, e em 2019, de 442 reais. 

O índice de Gini do rendimento mensal real domiciliar per capita manteve-se em 0,518, o menor da série histórica e o mesmo valor de 2022,

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo