Sociedade

Quatro policiais são presos após escolta de 16 toneladas de maconha para o Comando Vermelho

A investigação aponta que policiais civis do RJ apreenderam carregamento da droga e depois negociaram a entrega por meio de propina; agentes presos escoltaram caminhão com as 16 toneladas de maconha

Operação Drake prendeu policiais civis que escoltaram carga de droga para Comando Vermelho no Rio. Foto: Divulgação/PF
Apoie Siga-nos no

A Polícia Federal, em conjunto Ministério Público do Rio de Janeiro, deflagrou a Operação Drake para prender quatro policiais civis do estado e um advogado suspeitos de participarem do tráfico de 16 toneladas de maconha para o Comando Vermelho.

As prisões estão sendo cumpridas na manhã desta quinta-feira e o nome dos cinco presos ainda não foi divulgado. Em nota, a PF informa que a operação está sendo acompanhada pela corregedoria da Polícia Civil. O crime de corrupção também foi atribuído aos alvos.

De acordo com a investigação, duas viaturas ostensivas da Delegacia de Roubos e Furtos de Cargas da PCERJ abordaram um caminhão carregado com 16 toneladas de maconha na divisa de São Paulo com o Rio de Janeiro.

Após escoltarem o caminhão até a delegacia, os quatro policiais civis negociaram, por meio de um advogado, a liberação da carga entorpecente e a soltura do motorista, mediante ao pagamento de propina.

Após o pagamento, três viaturas tornaram a escoltar o caminhão até os acessos de Manguinhos, comunidade vinculada ao Comando Vermelho. Em seguida, a carga de maconha foi descarregada pelos criminosos.

Cerca de 50 agentes cumprem cinco mandados de prisão preventiva e seis mandados de busca e apreensão na capital fluminense e em Saquarema em endereços ligados aos criminosos.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo