Projétil que matou João Pedro tem o mesmo calibre de armas apreendidas com policiais

A bala que matou o adolescente era de calibre 5.56, o mesmo de um dos fuzis apreendidos com agentes que participaram da operação

Créditos: Reprodução

Créditos: Reprodução

Sociedade

A Polícia Civil do Rio de Janeiro identificou que o calibre da bala que matou o adolescente João Pedro Mattos Pinto, de 14 anos, é o mesmo de um dos fuzis apreendidos com agentes que participaram da ação. A bala que acertou João pedro era de calibre 5.56, o mesmo de uma das armas dos policiais; outros dois fuzis eram de calibre 7.62. As informações foram divulgadas pelo RJTV, da Rede Globo, nesta sexta-feira 22.

O adolescente foi baleado na segunda-feira 18, dentro de casa, durante uma operação conjunta da Polícia Civil e Federal, no Complexo do Salgueiro, em São Gonçalo. Segundo familiares e amigos da vítima, ele brincava no quintal da casa de um tio quando os policiais invadiram o imóvel e o atingiram na barriga. Já a Polícia Civil alega que o menino foi atingido durante uma troca de tiros entre bandidos e policiais, sendo socorrido de helicóptero.

O imóvel onde o adolescente estava foi atingido por dezenas de tiros. Foram encontradas 72 marcas de bala em paredes e eletrodomésticos. O projétil que matou o adolescente, segundo perícia preliminar, entrou pelas costas, perfurou um pulmão e ficou alojada perto de um ombro. Peritos alegam que o disparo, de “alta energia cinética”, veio possivelmente de um fuzil. O corpo de João Pedro só foi encontrado pela família cerca de 18 horas depois no IML da Baixada Fluminense.

O titular da Delegacia de Homicídios de Niterói e São Gonçalo (DHNSG), o delegado Allan Duarte, declarou que o caso deve ser solucionado em breve e que, além do confronto balístico com as armas apreendidas com os policiais, é possível que seja feita uma reprodução simulada e outras pessoas sejam ouvidas.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem