Para Damares, meninos têm que aprender a dar flores às meninas

Ministra disse ainda que se as meninas e os meninos acreditarem que são iguais, os meninos vão achar que elas "aguentam apanhar"

(Foto: Agência Senado)

(Foto: Agência Senado)

Sociedade

A ministra do azul e rosa está de volta. Dessa vez, na comemoração do Dia Internacional da Mulher, Damares Alves, comandante do Ministério da Mulher, Família e Direitos Humanos, disse nesta sexta-feira 8 que o governo de Jair Bolsonaro vai ensinar os meninos a levarem flores para as meninas e abrirem a porta para elas.

A declaração sexista foi dada em um evento junto com o ministro da Justiça, Sérgio Moro, promovido pelos dois ministérios para marcar a assinatura do convênio que visa o combate à violência doméstica. O governo pretende utilizar tecnologias como tornozeleiras eletrônicas para intensificar a rede de proteção das mulheres no Brasil.

“Nós vamos dizer que elas são iguais em oportunidades e direitos, mas diferentes fisicamente e precisam ser amadas. Vamos ensinar os meninos a levarem flores para as meninas, por que não? A abrir porta do carro para uma mulher, por que não?”, afirmou a ministra.

Leia também: Em discurso na ONU, Damares defende a vida “desde a concepção”

Outro ponto polêmico da fala de Damares foi quando ela atribuiu o aumento da violência à “ideologia de gênero”. A ministra disse que se as meninas e os meninos acreditarem que são iguais, os meninos vão achar que elas “aguentam apanhar”.

“Os meninos vão ter que entender que as meninas são iguais em direitos e oportunidades, mas são diferentes por serem mulheres e precisam ser amadas e respeitadas como mulheres. Enquanto nossos meninos acharem que menino é igual a menina, como se pregou no passado, algumas ideologias… já que a menina é igual, ela aguenta apanhar”, defendeu.

Leia também: Conselho de Damares Alves para quem é pai de menina: fuja do Brasil!

 

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Repórter do site de CartaCapital

Compartilhar postagem