Diversidade

Papa Francisco pede desculpas por frases consideradas homofóbicas, anuncia Vaticano

Francisco teria usado o termo “frociaggine” durante uma reunião com 250 bispos italianos ao expressar a sua oposição à entrada de homens abertamente homossexuais no seminário, apesar de terem feito o voto de celibato

Foto: Filippo Monteforte/POOL/AFP
Apoie Siga-nos no

O papa Francisco pediu desculpas nesta terça-feira (28) por ter recorrido a uma expressão do dialeto romano, “frociaggine”, um termo considerado vulgar e depreciativo aos homossexuais, segundo um comunicado divulgado pelo Vaticano.

“O papa nunca teve a intenção de ofender ou de se expressar em termos homofóbicos e pede desculpas àqueles que se sentiram ofendidos pelo uso de uma palavra”, afirmou o comunicado.

Francisco, de 87 anos, teria usado esse termo durante uma reunião a portas fechadas com 250 bispos italianos na semana passada, ao expressar a sua oposição à entrada de homens abertamente homossexuais no seminário, apesar de terem feito o voto de celibato.

Segundo dois jornais italianos, o pontífice disse que havia muita “frociaggine” nos seminários, um termo ofensivo.

Esta informação ganhou as manchetes em todo o mundo e causou indignação entre os grupos de defesa LGBTQIAP+ e também entre os católicos praticantes.

Alguns observadores apontaram que talvez o papa argentino não soubesse o que estava dizendo.

A declaração do Vaticano não confirma que Francisco tenha usado essa palavra, mas alude a reportagens da imprensa.

“Como já afirmou em mais de uma ocasião: ‘Na Igreja há lugar para todos, para todos! Ninguém é inútil, ninguém é supérfluo, há lugar para todos. Sejam como forem, todos”, afirma a declaração.

No entanto, Francis DeBernardo, líder do grupo americano News Ways Ministry, exigiu um pedido de desculpas.

“O papa Francisco nem sempre foi claro nas suas declarações sobre as pessoas LGBTQ+”, disse à AFP. “Esperamos que este incidente o encoraje a aprender mais sobre a linguagem que usa e como o uso indevido pode ser perigosamente prejudicial”.

Nesta terça-feira, no centro de Roma, alguns turistas manifestaram o seu descontentamento com as palavras usadas pelo papa argentino.

“A religião tem a ver com unidade… com unir as pessoas”, disse Caterina Constantinava, uma turista de Londres.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor…

O bolsonarismo perdeu a batalha das urnas, mas não está morto.

Diante de um país tão dividido e arrasado, é preciso centrar esforços em uma reconstrução.

Seu apoio, leitor, será ainda mais fundamental.

Se você valoriza o bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando por um novo Brasil.

Assine a edição semanal da revista;

Ou contribua, com o quanto puder.

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo