Política

Desemprego atinge 13,1 milhões e subutilização é a maior desde 2012

Número de desalentados também bateu recorde: 4,9 milhões de pessoas desistiram de procurar trabalho

 (Guilherme Pinto/Ag. O Globo)
(Guilherme Pinto/Ag. O Globo)

O número de desempregados no Brasil voltou a ultrapassar o patamar dos 13 milhões, mesmo do início do ano passado. Com o fechamento das vagas temporárias de fim de ano, a taxa de desemprego subiu 0,9 ponto em relação ao trimestre anterior e está agora em 12,4%. Os números são da pesquisa PNAD contínua, divulgada pelo IBGE nesta sexta-feira 29.

Esse aumento representa a entrada de 892 mil pessoas na população desempregada, totalizando 13,1 milhões. Essa perda se dividiu igualmente entre o setor público e o setor privado.

No setor privado, o número de empregados com carteira assinada continuou estável. Já o de empregados sem carteira assinada caiu 4,8%, na comparação com o trimestre anterior, uma redução de 561 mil pessoas nesse grupo. No setor público eles foram 453 mil a menos “É um aumento que costuma acontecer no começo do ano”, diz o coordenador de Trabalho e Rendimento do IBGE, Cimar Azeredo. Educação, construção e indústria foram os setores mais afetados.

O total de trabalhadores subutilizados fechou em 27,9 milhões de pessoas (24,6%), pico da série histórica iniciada em 2012. Significa que quase 1 em cada 4 brasileiros aptos a trabalhar está fora do mercado de trabalho.

Essa taxa é formada pela soma de três perfis que estão fora da força de trabalho: os desocupados, os subocupados e a força de trabalho potencial. Desocupados são aqueles que, no momento da pesquisa, estavam sem emprego.

São considerados subocupados os brasileiros que trabalham menos de 40 horas por semana, e gostariam de trabalhar mais. E a força de trabalho potencial é formada pelos que gostariam de trabalhar, mas não conseguem procurar emprego. Mulheres com filhos pequenos, por exemplo, entram nessa conta.

Outro recorde é o número de desalentados: as pessoas que desistiram de procurar trabalho e, por isso, saíram das estatísticas de desemprego. Esse número chegou a 4,9 milhões, um total de 4,4%. Em relação ao mesmo trimestre do ano anterior, mais 275 mil brasileiros entraram nessa condição.

Assine nossa newsletter

Receba conteúdos exclusivos direto na sua caixa de entrada.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fonte confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!