Sociedade

O que se sabe sobre o caso do advogado morto a tiros no Centro do Rio

Informações preliminares apontam que crime foi uma execução

Crime aconteceu próximo ao escritório que Crespo era sócio. Foto: Reprodução/Redes Sociais
Apoie Siga-nos no

O advogado Rodrigo Marinho Crespo foi morto a tiros na tarde desta segunda-feira 26 na Avenida Marechal Câmara, nos arredores da sede da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), no Centro do Rio de Janeiro. A vítima foi alvo de, ao menos, oito tiros.

Informações preliminares apontam que crime foi uma execução. A Delegacia de Homicídios investiga o caso e, até o momento, ninguém foi preso.

O local do crime também foi próximo ao escritório que Crespo era sócio, o Marinho e Lima Advogados. O escritório é especializado em direito empresarial.

Imagens captadas por câmeras de segurança, que foram divulgadas nas redes sociais, flagraram o momento em que os disparos se iniciam e diversos pedestres correm para se proteger. A Polícia Civil abriu investigação.

Rodrigo se formou em 2005 pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-RJ) e possuía pós-graduação em direito civil empresarial pela Fundação Getulio Vargas (FGV).

O advogado estava à frente das defesas de processos por posse, aquisição de bens materiais, indenização por bens materiais e confissão de dívidas. Ainda não se sabe se sua atuação profissional teria motivado o crime.

Em nota, a OAB-RJ, afirmou que o presidente da ordem, Luciano Bandeira, acompanha o desenvolvimento do caso. Ainda segundo a nota, o presidente da OAB-RJ também está em contato com o secretário de Segurança Pública do estado, Victor César dos Santos.

“Consternada, a Seccional expressa as mais profundas condolências aos familiares e amigos do colega e pede celeridade na apuração deste crime bárbaro”, disse o comunicado.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor…

O bolsonarismo perdeu a batalha das urnas, mas não está morto.

Diante de um país tão dividido e arrasado, é preciso centrar esforços em uma reconstrução.

Seu apoio, leitor, será ainda mais fundamental.

Se você valoriza o bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando por um novo Brasil.

Assine a edição semanal da revista;

Ou contribua, com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo