Justiça

O que se sabe sobre a inédita fuga de um presídio de segurança máxima no Brasil

É a primeira vez que uma fuga do tipo ocorre em uma unidade prisional de segurança máxima no País

Foto: Reprodução
Apoie Siga-nos no

Dois presos fugiram da Penitenciária Federal de Mossoró (RN) nesta quarta-feira 14. A informação foi confirmada pelo Ministério da Justiça e Segurança Pública

O setor de inteligência do presídio identificou a fuga e um alerta foi emitido a todos os policiais penais.

O secretário André Garcia, da Secretaria Nacional de Políticas Penais (Senappen) da pasta, está a caminho de Mossoró.

É a primeira vez na história que há uma fuga registrada em presídio de segurança máxima. Inaugurado em 2009, o presídio federal de Mossoró é o único do Nordeste e uma das cinco unidades prisionais federais do país, que abriga mais de 200 detentos.

A Polícia Federal investiga a responsabilidade pela fuga e busca os dois homens com o apoio da Secretaria de Segurança Pública do estado e da Secretaria de Administração Penitenciária do Rio Grande do Norte. 

Quem são os fugitivos?

Os fugitivos foram identificados como Rogério da Silva Mendonça e Deibson Cabral Nascimento, também conhecido como “Tatu” ou “Deisinho”. Eles são apontados como integrantes do Comando Vermelho.

Ambos são do Acre e estavam na penitenciária de Mossoró desde 27 de setembro de 2023, após envolvimento na rebelião ocorrida no presídio de segurança máxima Antônio Amaro Alves, no qual cinco detentos foram mortos, três deles decapitados.

Preso desde agosto de 2015, Deibson passou pelo presídio federal de Catanduva (PR) onde tem condenações e responde por assaltos, furtos, roubos, homicídio e latrocínio. Ele cumpria pena de 33 anos por assalto a mão armada. 

Rogério também cumpria pena no Acre, quando foi determinada sua transferência para o Rio Grande do Norte. Ele cumpria pena de cinco anos por envolvimento com o tráfico de drogas.

ENTENDA MAIS SOBRE: , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo