…

“O nu está em todos os museus do mundo e não deveria causar choque”, diz curador do MAM

Sociedade

Entre a noite de quinta-feira 28 e a manhã desta sexta-feira 29, a performance “La Bête”, do artista carioca Wagner Schwartz, se tornou alvo de protestos nas redes sociais. Em vídeos divulgados por setores conservadores, como o Movimento Brasil Livre (MBL) e o deputado federal Jair Bolsonaro (PSC-RJ), o museu foi acusado de pedofilia pela interação de uma criança com o artista nu.

A performance, realizada no Museu de Arte Moderna de São Paulo (MAM), fez parte da 35º mostra Panorama de Arte Brasileira e foi apresentada na terça-feira 26. Em nota, o MAM afirmou que “La Bête” não possui conteúdo erótico e que a sala de realização estava sinalizada sobre o teor da apresentação, incluindo a nudez artística. A garota filmada interagindo com o coreógrafo Wagner Schwartz, diz o museu, estava acompanhada da mãe.

Leia mais:
Museu de SP é acusado de pedofilia e rebate: performance não tem conteúdo erótico

A performance é uma leitura interpretativa da obra “Bicho”, de Lygia Clark, artista historicamente reconhecida por proposições artísticas interativas. Em entrevista a CartaCapital, Felipe Chaimovich, curador do MAM, reafirmou o teor da nota e lembrou que o nu integra a arte há tempos. “O nu está presente em todos os museus do mundo, é parte da história da arte. Faz parte do patrimônio mundial. Não deveria causar choque”, afirma Chaimovich.

“Os museus possuem uma função pedagógica, então é necessário esclarecer que isto faz parte da história da arte, faz parte do patrimônio mundial”, explica.

A obra de Lygia Clark é considerada uma “obra de virada” do século XX, o que significa que é completada mediante a participação do público. Na releitura de Schwartz, o artista manipula uma réplica de uma escultura da série “Bichos”, e se coloca nu diante do público, que tem permissão para tocá-lo.

Para Chaimovich, a interação na performance completa o sentido da obra. Questionado sobre a interação com crianças, o curador reafirmou que “a função do museu é esclarecer”.

Le Betê” também foi apresentada no Instituto Goethe em Salvador, onde a interação também contou com a participação do público, entre eles crianças e adultos.

Junte-se ao grupo de CartaCapital no Telegram

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem