O Brasil ganhou (ou aprendeu) algo com a Copa do Mundo Feminina?

Pela primeira vez, uma emissora da tevê aberta transmitiu os jogos da seleção. E virou palco para um protesto de Marta

O Brasil ganhou (ou aprendeu) algo com a Copa do Mundo Feminina?

Esporte,Sociedade

“Brasil, precisamos de apoio.” O pedido, escrito em uma fronha pelas jogadoras da seleção brasileira que chegaram à final da Copa Feminina em 2007, era um apelo à CBF para que incentivasse os investimentos no futebol feminino. 

Doze anos depois da fatídica data em que a Alemanha derrotou o Brasil (por apenas por 2 a 0), os resultados mostram a seleção delas continua em um plano secundário – inclusive dentro de campo, desta vez caindo nas oitavas. De lá para cá, afinal, o que mudou? Ganhamos algo?

Em 2007, as brasileiras chegaram pela primeira vez à final da Copa. Depois disso, nunca mais. O pedido à CBF foi feito em tom emocionado

A transmissão da Copa 2019

A Copa Feminina ganhou popularidade no Brasil neste ano pelo fato de a Globo ter transmitido os jogos. O fato foi inédito na TV aberta. 

Antes disso, a emissora havia transmitido a modalidade nos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro, em 2016, e nos Jogos Panamericanos, em 2007. O SporTV, canal fechado da Globo, havia transmitido as duas últimas edições, no Canadá e na Alemanha.

A CBF também fechou uma parceria com o Twitter e exibiu os jogos ao vivo pela rede social.

 

Para Ana Thaís Matos, comentarista esportiva da Globo que fez sua estreia na modalidade nesta competição, a transmissão foi um “marco significativo pelo alcance”. Ela aposta que o futebol feminino de seleções e clubes será melhor após o final desta Copa. 

“Falamos de futebol feminino para milhões de pessoas. Tivemos grandes comunicadores do esporte nacional no evento. Movimentamos marcas e expusemos a modalidade de uma forma muito séria. Demos um importante passo”, defende a jornalista.

Roberta Nina, que faz parte do Dibradoras, portal futebolístico escrito exclusivamente por mulheres, reconhece a importância da transmissão na TV aberta e comenta: “Com a seleção feminina, não se questiona muito porque não se conhece as jogadoras. Onde jogam, quem são, em qual posição jogam. A TV aberta é capaz de promover esse engajamento.”

Nina defende que a TV aberta deveria transmitir outros campeonatos do futebol feminino para “massificar a modalidade”. A possibilidade virará realidade: a TV Bandeirantes confirmou em abril que transmitirá o Brasileirão feminino.

Há claramente interesse do público nas exibições. A seleção brasileira quebrou recordes na transmissão desta Copa. O primeiro jogo, contra a Jamaica, foi visto por 19 milhões de pessoas, tornando-se o segundo mais acompanhado na história da Copa Feminina. 

O jogo que desclassificou o Brasil na competição quebrou os recordes mundiais e se tornou a maior audiência em uma Copa Feminina na história. A derrota para a França teve 35 milhões de espectadores.

As apresentadoras do Mamilos, e nesta Copa, Ôea, Juliana Wallauer e Cris Bartis

As transmissões não foram os únicos novos incentivos a surgir para a competição. Juliana Wallauer e Cris Bartis, que apresentam o podcast Mamilos, desenvolveram em parceria com o Dibradoras um podcast exclusivo sobre a Copa Feminina, chamado Ôea.

Wallauer admite que a dupla nunca foi ligada em futebol, mas que, ao perceber “a  importância que o futebol feminino têm como forma de inspirar e moderar uma nova geração, pelas discussões que trazem quanto à equidade de gênero no esporte”, optou por produzir o programa.

Como cobrir o futebol feminino?

As jornalistas entendem que o modo como se cobre a modalidade é consequência das transmissões e da visibilidade – ou falta dela. “A Copa ganha outra dimensão. Falta resenha e cobertura do dia a dia dos jogos na grande mídia”, diz Roberta Nina.

Aparentemente, a cobertura tem agradado. Ana Thaís comenta estar recebendo muitos comentários elogiosos de “mulheres identificadas com o momento e de muitos homens indo atrás de notícia, querendo saber mais histórias”. 

Para Carol Barcellos, repórter da TV Globo e do SporTV, esta cobertura da Copa Feminina é uma grande oportunidade. “A partir do momento em que se conhece as jogadoras, o público cria uma identidade e uma relação”, fala. “Estou tendo a chance de contar muitas histórias que já deveriam ser conhecidas por todos nós, mas não são”, segue.

Ana Thaís diz adotar os mesmos critérios de avaliações técnicas e táticas, mas afirma que é necessário explicar para o grande público as diferenças entre as modalidades por conta de seus contextos históricos. “Explico que o gol não deveria ser menor, mas que deveriam melhorar a preparação física das goleiras e estimular mais mulheres a praticar futebol. Hoje temos um nível altíssimo de goleiras e o gol não mudou de tamanho”, exemplifica.

As lutas pessoais das jogadoras

A repórter vai além. Para ela, mostrar as lutas pessoais das jogadoras é uma forma de joga-las no holofote de um esporte tradicionalmente masculino. “A Tamires [lateral-esquerda da seleção] ficou anos sem jogar, mas, com apoio, conseguiu e foi a uma Copa do Mundo. A mesma coisa com a depressão da Cristiane [Rozeira, atacante da seleção] após a Rio 2016. Quantas vezes ela teve a oportunidade de falar sobre isso? Quantas pessoas sucumbiram à depressão?”, questiona.

As jornalistas da Rede Globo: a repórter Carol Barcellos (esquerda) e a comentarista Ana Thaís Matos (direita)

Roberta lembra de Andressa Alves [atacante da seleção], que veio da periferia paulistana e foi a primeira jogadora brasileira a atuar no Barcelona. “Enquanto a mulher é punida por ser mãe, perde contrato de marcas, patrocínio, contrato com clubes, os homens são notícia quando viram pais, ou quando uma mulher engravida de um jogador e ele não assume. A maternidade e a paternidade no esporte são vistas de formas muito diferentes e a mulher é sempre a mais prejudicada”, diz a global.

Futebol feminino como (bom) produto

Roberta Nina enxerga os recordes de audiência e o crescimento do interesse pelo esporte como necessário para o entendimento de que o futebol feminino também é produto rentável, e não um prejuízo para as emissoras.

Durante o jogo de estreia na Copa, a atacante Marta quis que os espectadores se atentassem à razão da invisibilidade do futebol feminino. Para isso, usou uma chuteira preta sem patrocínios com um símbolo azul e rosa, referente ao movimento #GoEqual. 

A artilheira da seleção optou por estar sem patrocínios no momento. A razão? Acredita que as marcas estão lhe oferecendo quantias muito menores que aos jogadores.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Estagiária de Jornalismo de CartaCapital.com.br

Compartilhar postagem