Sociedade

Nível das águas do Guaíba continua baixando e reduz 12 cm em 24 horas

Apesar disso, o Guaíba continua 1,4 m acima da cota de inundação

Créditos: Gustavo Mansur / Palácio Piratini
Apoie Siga-nos no

O nível do Guaíba, em Porto Alegre, chegou a 4,43 metros no cais Mauá, uma redução de 12 cm em 24h. A medição foi feita na manhã deste domingo 19 pela Agência Nacional de Águas e Saneamento Básico (ANA).

Apesar disso, o Guaíba continua 1,4 m acima da cota de inundação. A previsão, de acordo com o Instituto de Pesquisas Hidráulicas da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), é que o Guaíba se mantenha acima da cota de inundação até o fim do mês.

Na sexta-feira 17, o Departamento Municipal de Água e Esgotos de Porto Alegre (Demae) abriu uma comporta para escoar as águas no centro histórico da cidade, local de concentração de comércio, bancos, museus e centros culturais.

A comporta aberta, de número 3, na Avenida Mauá esquina com a rua Padre Tomé, ajudou no escoamento da água para a volta natural do leito do rio.

A medida foi tomada após análise técnica que aponta redução de 40 centímetros de volume de água naquele ponto. O nível recorde do lago foi registrado em 6 de maio, quando bateu a marca histórica de 5,33 metros.

Segundo o último boletim da Defesa Civil, divulgado na manhã deste domingo 19, número de mortos em decorrência das chuvas e enchentes que atingem o Rio Grande do Sul chegou a 155.

Segundo os dados da Defesa Civil, já são 463 os municípios afetados. Além disso, ao menos 76.955 moradores da região estão em abrigos, neste momento.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo