Sociedade

Mulher suspeita de levar idoso morto a banco teria ido a outras agências e tentado comprar celular

Erika Nunes está presa e é investigada pelo caso

Foto: Reprodução
Apoie Siga-nos no

O delegado Fábio Luiz da Silva Souza, responsável por investigar o caso da mulher que teria levado o tio morto para um banco na Zona Oeste do Rio, disse que Erika Nunes tentou comprar um celular com Paulo Roberto Braga, e chegou a tentar um novo empréstimo bancário em pelo menos outras duas agências naquele mesmo dia.

“Há informações de que ela foi na Crefisa, tentou fazer a compra de alguns bens, como telefones”, apontou o delegado.

Os casos, segundo o Souza, aconteceram antes dela ter levado Paulo Braga supostamente já morto à agência do banco Itaú do Calçadão de Bangu, no Rio. 

Desde que o caso veio à tona, nesta semana, os investigadores tentam descobrir se o idoso de 68 anos já teria chegado morto à agência. E, principalmente, se Erika Nunes sabia que ele já estava sem vida e, ainda assim, conduziu o cadáver.

O laudo do Instituto Médico Legal (IML) apontou que o idoso teria morrido entre 11h30 e 14h30 da última terça-feira 16. Entretanto, o documento não conseguiu precisar se o idoso morreu antes ou depois de chegar ao banco. 

Para o delegado, o dado não muda a tipificação do crime. “Isso não faz diferença nenhuma. O que faz acontecer o crime é ela saber que a pessoa está morta e mesmo assim ela continuar com aquela conduta”, explicou.

Erika está presa. Nesta quinta-feira, uma audiência de custódia confirmou a prisão dela. A defesa, por sua vez, alegou que ela segue tratamento psiquiátrico e psicológico, de modo que não poderia ficar presa.

ENTENDA MAIS SOBRE: , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo