MPF aponta estelionato de pastor por vender semente que “cura” covid-19

Pastor Valdemiro Santiago, da Igreja Mundial, pode ser investigado pelo MP-SP. Órgão também pediu para que Youtube tirasse vídeo do ar

Foto: Reprodução/Youtube

Foto: Reprodução/Youtube

Saúde,Sociedade

O Ministério Público Federal (MPF) pediu para a plataforma Youtube tirar do ar um vídeo no qual o pastor Valdemiro Santigo, da Igreja Mundial do Poder de Deus, anuncia uma semente que tem propósito de “curar” o coronavírus. O pastor ainda anuncia no vídeo a intenção de que o grão seja vendido a R$ 1 mil a cada fiel. Segundo o MPF, tal ato pode configurar no crime de estelionato, e deve ser investigado pelo Ministério Público estadual de São Paulo.

“O MPF solicitou que, além de retirar do ar, o YouTube mantenha o material preservado e acautelado em arquivos da empresa, na íntegra, bem como o registro do quantitativo de acessos a eles, para eventuais e futuras providências de responsabilização. A empresa deve responder em cinco dias se tomou as providências requeridas.”, informou o MPF nesta segunda-feira 11.

No vídeo, o pastor diz que a igreja coleta casos de pessoas curadas após terem semeado o produto. “Só tem um jeito de se vencer essas fases difíceis: semeando. Essa semente, “sê tu uma benção”… você vai semear essa semente e na planta que nascer vai estar escrito ‘Sê tu uma benção'”, diz Valdemiro. Depois, dá o lance inicial – ou “propósito” – de R$ 1000 por fiel. Para quem não puder, o pastor ainda sugere outros valores para financiar a mentira, como R$ 500 ou R$ 100, no mínimo.

Valdemiro Santigo é do circuito de líderes evangélicos que apoiam o presidente Jair Bolsonaro e não propagam notícias conscientizadoras sobre a pandemia, haja vista que as páginas e os sites da Igreja Mundial não possuem recomendações seguras para os fieis.

Para o MPF, o pastor utiliza um “disfarce linguístico” para poder extorquir as vítimas. “Não se pode, a título de liberdade religiosa, permitir que indivíduos inescrupulosos ludibriem pessoas vulneráveis e firam a fé pública.”, escreve o procurador Wellington Saraiva.

 

No momento, o mundo corre contra o tempo para analisar quais as melhores medidas, medicamentos, práticas e estudos para lidar com a pandemia de coronavírus, que já vitimou mais de 284 mil pessoas ao redor do mundo, segundo a Universidade Johns Hopkins. No Brasil, a marca já passa das 11 mil vidas perdidas para a doença.

“Está claro o uso de influência religiosa e da mística da religião para obter vantagem pessoal (ou em benefício da IMPD), induzindo vítimas em erro, pois não há evidência conhecida de cura da covid-19 por meio de alguma divindade nem por ingestão ou plantação de feijões mágicos.”, diz o órgão.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

É repórter do site de CartaCapital.

Compartilhar postagem