MP de São Paulo amplia força-tarefa que investiga Prevent Senior

Ao todo, oito membros trabalham no inquérito, aberto após as revelações da CPI da Covid

Foto: Reprodução

Foto: Reprodução

Sociedade

O procurador-geral da Justiça de São Paulo, Mário Sarrubbo, decidiu ampliar a força-tarefa que investiga se a Prevent Senior desenvolveu uma pesquisa clandestina para testar remédios ineficazes contra a Covid-19 sem o consentimento de seus pacientes.

 

 

Por determinação do chefe do Ministério Público do estado, os promotores Márcio Friggi e Maria Fernanda de Castro Marques Maia vão reforçar a equipe de investigação, que recebeu orientação para dar ‘atenção total’ ao caso.

Ao todo, são oito membros trabalhando no inquérito que apura hipóteses de falsificação de prontuários, falta de notificação devida às autoridades de saúde e homicídio.

A força-tarefa começou a trabalhar na semana passada e ainda aguarda o compartilhamento de documentos obtidos pela CPI da Covid no Senado Federal. Foi a partir da comissão parlamentar que vieram a público as suspeitas que atingem a operadora de planos de saúde.

O inquérito policial tramita no Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa, enquanto um inquérito civil corre em paralelo na Promotoria da Saúde.

 

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem