Sociedade

Motoboy agredido com canivete no RS é indiciado por lesão corporal e desobediência

Éverton da Silva foi agredido por Sérgio Kupstaitis; a polícia entendeu se tratar de ‘agressão mútua’

À esquerda, Sérgio Camargo Kupstaitis, 71, conversando com agente policial após ser acusado de lesão corporal. À direita, o motoboy Everton Henrique Goandete da Silva, detido pelos policiais ao denunciar a agressão. — Foto: Reprodução
Apoie Siga-nos no

O motoboy Éverton Henrique Goandete da Silva, de 40 anos, agredido com um canivete no pescoço em Porto Alegre (RS), foi indiciado por lesão corporal e desobediência policial.

O autor da agressão, Sérgio Kupstaitis, de 71 anos, também responderá por agressão.

Segundo a investigação, os dois carregavam desavenças desde o ano passado. O episódio registrado no último sábado 17 foi considerado uma “agressão mútua”.

A Polícia Civil informou nesta sexta-feira 23 que Sérgio ligou três vezes para o 190 com reclamações sobre motoboys que estariam na frente do prédio onde mora. Em um dos telefonemas, em janeiro deste ano, o idoso teria relatado que um grupo de pessoas tentava “derrubar uma banca de jornal”. Everton seria um dos envolvidos no suposto ato.

A investigação policial ouviu 27 pessoas, 22 delas como testemunhas. Também analisou 12 vídeos, mas nenhum deles mostra o momento em que o idoso agride o motoboy com o canivete. Por isso, a defesa de Everton considera a apuração “totalmente parcial”.

A polícia também concluiu não ter havido racismo praticado contra o motoboy pelos agentes que acompanharam a ocorrência. O corregedor-geral da Brigada Militar, Vladimir Luís Silva da Rosa, apontou que o único erro dos policiais foi na condução de Sérgio e Éverton à delegacia, uma vez que apenas o motoboy foi levado no camburão.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor…

O bolsonarismo perdeu a batalha das urnas, mas não está morto.

Diante de um país tão dividido e arrasado, é preciso centrar esforços em uma reconstrução.

Seu apoio, leitor, será ainda mais fundamental.

Se você valoriza o bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando por um novo Brasil.

Assine a edição semanal da revista;

Ou contribua, com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo