Educação

Morre aos 85 anos o sociólogo Luiz Werneck Vianna

O intelectual é autor de diversas obras, entre elas ‘Liberalismo e sindicato no Brasil’

Foto: Reprodução/TV Globo
Apoie Siga-nos no

Morreu nesta quarta-feira 21, aos 85 anos, o sociólogo Luiz Werneck Vianna.

Ele se graduou em Direito (1962) pela atual Universidade do Estado do Rio de Janeiro e em Ciências Sociais (1967) pela Universidade Federal do Rio de Janeiro. Posteriormente, obteve seu doutorado pela Universidade de São Paulo.

O sociólogo é autor de diversas obras, entre elas Liberalismo e sindicato no Brasil, A revolução passiva: iberismo e americanismo no Brasil, e Democracia e os três poderes no Brasil.

No início dos anos 1960, Vianna ingressou no Partido Comunista Brasileiro, experiência que ele definiria como uma “universidade viva”.

Após a graduação em Ciências Sociais, sob a ditadura militar instalada em 1964, passou a sofrer perseguição do regime e chegou a responder a cinco inquéritos policiais-militares. No fim de 1970, partiu para o exílio no Chile. Ele retornou um ano depois e foi detido por seis meses.

Ao deixar a prisão, além de iniciar seu doutorado em Sociologia pela USP, começou a trabalhar no Centro Brasileiro de Análise e Planejamento, o Cebrap.

Luiz Werneck Vianna trabalhou em diversas instituições universitárias. Por três décadas, foi professor do IUPERJ e atualmente era professor do Departamento de Sociologia da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro.

Em nota, a PUC-Rio lamentou a morte: “Luiz Werneck Vianna foi um intelectual de grande relevância para o campo da sociologia e para a comunidade acadêmica como um todo. Seu legado se estende nas orientações de muitas gerações, estudos e reflexões sobre a sociedade brasileira, onde deixou uma marca indelével na história do pensamento social no Brasil”.

O Observatório das Metrópoles, um Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia sediado na UFRJ, afirmou que a morte de Werneck “deixa um vazio imenso no campo das ciências sociais brasileiras e latino-americanas”.

Já a Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Ciências Sociais – da qual o sociólogo foi presidente – declarou que “seu legado intelectual para as Ciências Sociais é inestimável e seguirá inspirando reflexões sobre o Brasil do passado e do presente”.

ENTENDA MAIS SOBRE: , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Os Brasis divididos pelo bolsonarismo vivem, pensam e se informam em universos paralelos. A vitória de Lula nos dá, finalmente, perspectivas de retomada da vida em um país minimamente normal. Essa reconstrução, porém, será difícil e demorada. E seu apoio, leitor, é ainda mais fundamental.

Portanto, se você é daqueles brasileiros que ainda valorizam e acreditam no bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo