Modelo negra vence Miss Universo e critica racismo e machismo

'Quero que crianças olhem para mim e vejam seus rostos refletidos no meu', disse Zozibini Tunzi

Miss Universo premia modelo da África do Sul. Foto: Reprodução/ABS CBN Entertainment

Miss Universo premia modelo da África do Sul. Foto: Reprodução/ABS CBN Entertainment

Sociedade

Entre 88 candidatas a Miss Universo 2019, a vencedora foi a sul-africana Zozibini Tunzi, de 26 anos. A modelo fez declarações contra o racismo e o machismo. O evento foi realizado no domingo 8, em Atlanta, nos Estados Unidos. Madison Anderson, de Porto Rico, ficou em segundo lugar, seguida da mexicana Sofía Aragón.

É a terceira vez que a África do Sul ganha o prêmio. Em 1978, o país foi vitorioso com Margaret Gardiner, e em 2017, com Leigh Nel-Peters. Zozibini foi a única negra a receber o título desde 2011, quando Leila Lopes ganhou representando a Angola. A miss fez críticas ao preconceito sobre as mulheres negras.

“Eu cresci em um mundo onde mulheres que se parecem comigo, com a minha pele e o meu cabelo, nunca foram consideradas bonitas. Já chegou a hora de pararmos com isso. Quero que crianças olhem para mim e vejam seus rostos refletidos no meu”, disse, após ser perguntada sobre sua atuação caso fosse vencedora.

Em seu discurso, Zozibini também exaltou a necessidade de mulheres ocuparem espaços de liderança.

“Acho que a coisa mais importante que deveríamos estar ensinando para jovens meninas hoje é a liderança. É algo que tem faltado em jovens meninas e mulheres há muito tempo. Não porque não queremos, mas por causa do que a sociedade definiu o que mulheres seriam”, afirmou.

Também postulante ao título, a mineira Júlia Horta ficou entre as 20 mais bonitas, mas foi eliminada antes da final. O Brasil só venceu o Miss Universo em 1963, com Iêda Maria Vargas, e em 1968, com Martha Vasconcellos.

 

Junte-se ao grupo de CartaCapital no Telegram

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem