Sociedade

Marcha para Jesus em SP reúne políticos como Caiado e Nunes; Lula envia ministro da AGU

Milhares de fiéis se reúnem na Avenida Tiradentes, na região central de São Paulo, para participar da 32ª Marcha Para Jesus

32ª edição da Marcha para Jesus na avenida Tiradentes. O tema deste ano é “Dupla Honra”, uma referência ao texto bíblico de Isaías 61:7. Foto: Paulo Pinto/Agencia Brasil
Apoie Siga-nos no

Milhares de fiéis se reúnem na Avenida Tiradentes, na região central de São Paulo, para participar da 32ª Marcha Para Jesus. O evento reúne trios elétricos, faixas religiosas e neste ano conta com maior presença de bandeiras de Israel. Participam do ato políticos como o prefeito e pré-candidato Ricardo Nunes (MDB) e o governador de Goiás, Ronaldo Caiado (União), que almeja concorrer à presidência em 2026.

A presença do governador Ricardo Nunes (Republicanos) também é esperada no evento. Lula foi convidado, mas sob a alegação de não poder comparecer ao ato, enviou o ministro Jorge Messias, da Advocacia-Geral da União.

Ao lado do apóstolo Estevam Hernandes, da Igreja Renascer em Cristo, Nunes discursou e afirmou ‘estar feliz e emocionado’, além de pedir orações pelas pessoas afetadas pela catástrofe climática no Rio Grande do Sul.

De acordo com a última pesquisa Atlas, Guilherme Boulos (PSOL) aparece com 17 pontos à frente de Nunes nas intenções de voto. No entanto, ao analisar o cenário religioso, o atual prefeito de SP lidera entre os evangélicos com 48,3% – o público-alvo da Marcha para Jesus.

O quadro é inverso ao analisar o voto católico: Boulos desponta no topo com 41,4%, ante 18,8% de Nunes. O pré-candidato do PSOL também é o líder entre os eleitores que declaram ter outras regiões (36,2%) e no eleitorado ateu ou agnóstico (51,5%).

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Os Brasis divididos pelo bolsonarismo vivem, pensam e se informam em universos paralelos. A vitória de Lula nos dá, finalmente, perspectivas de retomada da vida em um país minimamente normal. Essa reconstrução, porém, será difícil e demorada. E seu apoio, leitor, é ainda mais fundamental.

Portanto, se você é daqueles brasileiros que ainda valorizam e acreditam no bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo