Diversidade

Mais da metade das mulheres europeias já sofreu sexismo no trabalho

Instituto Francês de Opinião Pública (IFOP) ouviu mais de 5 mil mulheres em cinco países da União Europeia

 chega de fiu fiu machismo assédio sexual think olga abuso violência feminismo
chega de fiu fiu machismo assédio sexual think olga abuso violência feminismo

Em torno de 60% das mulheres na Europa indicaram terem sido vítimas de, pelo menos, uma forma de violência sexista, ou sexual, no trabalho – aponta um estudo feito on-line em abril de 2019 e publicado neste sábado 12, com mais de 5 mil mulheres de cinco países da União Europeia.

O relatório do Instituto Francês de Opinião Pública (IFOP) afirmou que 21% das mulheres passaram por essas situações no ano passado, enquanto 42% nos últimos 30 anos.

Ainda de acordo com a enquete, 11% das entrevistadas afirmaram terem tido relação sexual “forçada ou indesejada” com alguém de seu círculo profissional.

Um número que “destaca a zona cinzenta que pode existir em torno do consentimento”, quando este é “ser obtido em um contexto de subordinação, intimidação, ou manipulação”, advertem os autores do estudo, que englobou França, Alemanha, Itália, Reino Unido e Espanha.

Da mesma forma, 46% das mulheres foram submetidas a “assobios, gestos ou comentários rudes, ou olhares inadequados”, um percentual que, na Alemanha, chega a 56%. Além disso, 26% disseram ter de suportar esses gestos, ou comentários, “repetidamente”.

Ao menos 9% das mulheres declararam terem sido “pressionadas” por um colega, em pelo menos uma ocasião, para obter delas “um ato de cunho sexual”, e 18% relataram terem de suportar contatos físicos como mão nas nádegas, abraço forçado, ou beijo roubado.

Apenas 16% das que afirmaram terem sido pressionadas a realizar atos sexuais denunciaram o caso, porém, a algum superior, ou sindicato de sua categoria.

Assine nossa newsletter

Receba conteúdos exclusivos direto na sua caixa de entrada.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fonte confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!