Sociedade

Maioria da população defende a descriminalização da maconha no Brasil, aponta pesquisa

Levantamento mostrou que mais de 50% dos entrevistados defendem decisão da legalização da maconha seja feita pelo STF; a liberação de todas as drogas, porém, é rechaçada

15ª edição da Marcha da Maconha São Paulo na Avenida Paulista . Créditos: Paulo Pinto/Agência Brasil
Apoie Siga-nos no

A maioria dos eleitores do país defende que o Supremo Tribunal Federal (STF) deve descriminalizar o porte de maconha para uso pessoal. É o que mostra a pesquisa PoderData, divulgada nesta sexta-feira 29.

É a primeira vez que o instituto pergunta aos eleitores o que eles acham do tema. Para 53% dos entrevistados, o Supremo deveria descriminalizar o porte, enquanto 27% responderam que a prática deve continuar sendo considerada crime. Outros 20% preferiram não responder. 

Atualmente, a questão está em julgamento pelo STF. No mês passado, o ministro André Mendonça pediu vistas para analisar o caso, interrompendo provisoriamente o debate. O placar está 5 a 1 para a descriminalização do porte de maconha para uso pessoal.

A pesquisa divulgada hoje também mostrou que a maioria dos eleitores (56%) defende a liberação da maconha para uso medicinal no país. O número é levemente superior ao revelado na pesquisa anterior do instituto, na qual 54% disseram que eram favoráveis à questão. Sobre o uso medicinal, 35% disseram que a prática não deveria ser liberada (contra 37% da pesquisa anterior). Outros 9% não responderam.

O uso da maconha para fins medicinais é legalizado em outros países da América Latina, como Argentina, Chile, Colômbia, México e Peru. 

No primeiro semestre, a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) divulgou uma nota técnica apresentando o conjunto de evidências científicas encontradas na literatura mundial sobre o tema, mostrando os benefícios do uso da cannabis para fins terapêuticos. 

Segundo os estudos, a prática, quando bem orientada, auxilia de modo positivo o tratamento de uma série de doenças, a exemplo da esclerose múltipla, da fibromialgia, do glaucoma e de uma variedade de doenças reumáticas, entre outras.

Outras drogas

Embora a população esteja mais favorável à legalização da maconha, a postura não é tão positiva em relação à liberação das demais drogas. A pesquisa do PoderData mostrou que 61% dos entrevistados disseram ser contra a liberação de todas as drogas no país, ao passo que 22% responderam que são favoráveis. Sobre o tema, 17% não responderam. 

A pesquisa PoderData foi realizada entre 24 e 26 de setembro. Ela ouviu 2.500 pessoas em 212 municípios, através de ligações telefônicas. A margem de erro é de 2 pontos percentuais. O levantamento é o mesmo que monitorou os índices de aprovação e reprovação de Lula nos 9 primeiros meses de governo.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo