Política

Lula decide prorrogar GLO em portos e aeroportos de Rio e São Paulo

O ministro da Justiça, Ricardo Lewandowski, e o ministro da Defesa, José Múcio Monteiro, recomendaram a extensão do prazo

Lula durante encontro com Novo Comandante do Exército, general Tomás Miguel Ribeiro Paiva. Foto: Ricardo Stuckert/PR
Apoie Siga-nos no

O presidente Lula (PT) prorrogou até 4 de junho o emprego das Forças Armadas para a operação de Garantia da Lei e da Ordem em portos e aeroportos do Rio de Janeiro e de São Paulo. A decisão constará de uma edição extra do Diário Oficial da União nesta sexta-feira 3.

O Ministério da Justiça contabiliza desde o início da ação, em novembro de 2023, a apreensão de 172,3 toneladas de drogas e 282 armas. Há, ainda, 3.178 pessoas presas, 11,2 mil fiscalizações em embarcações e 107,6 mil cargas inspecionadas.

Segundo a pasta, os 31 mil ativos apreendidos ou retidos resultam em um valor estimado de 116,4 milhões de reais.

O ministro da Justiça, Ricardo Lewandowski, e o ministro da Defesa, José Múcio Monteiro, recomendaram a extensão do prazo de funcionamento da GLO.

O emprego de militares na operação contempla:

  • Porto do Rio de Janeiro;
  • Porto de Santos/SP;
  • Porto de Itaguaí/RJ;
  • Aeroporto do Galeão, no Rio; e
  • Aeroporto de Guarulhos, em São Paulo.

A GLO, segundo o documento que lançou a operação, busca fortalecer o “combate ao tráfico de drogas e de armas e a outras condutas ilícitas, por meio de ações preventivas e repressivas”.

De acordo com o decreto, também caberá ao Exército e à Aeronáutica o fortalecimento imediato das ações de prevenção e repressão de delitos na faixa de fronteira. A responsabilidade da Marinha será potencializar iniciativas de prevenção e repressão de delitos na Baía de Guanabara (RJ), na Baía de Sepetiba (RJ), na área brasileira do Lago de Itaipu (MS e PR) e nos acessos marítimos ao Porto de Santos (SP), em articulação com a Polícia Federal e a Polícia Rodoviária Federal.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor…

O bolsonarismo perdeu a batalha das urnas, mas não está morto.

Diante de um país tão dividido e arrasado, é preciso centrar esforços em uma reconstrução.

Seu apoio, leitor, será ainda mais fundamental.

Se você valoriza o bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando por um novo Brasil.

Assine a edição semanal da revista;

Ou contribua, com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo