Política

Lewandowski autoriza o envio da Força Nacional a Mossoró para buscar dupla de fugitivos

Os 100 agentes se somarão ao contingente da força-tarefa que trabalha para localizar Rogério da Silva Mendonça e Deibson Cabral Nascimento

Foto: Rafa Neddermeyer/Agência Brasil
Apoie Siga-nos no

O ministro da Justiça e da Segurança Pública, Ricardo Lewandowski, autorizou nesta segunda-feira 19 o envio de 100 agentes e 20 viaturas da Força Nacional ao Rio Grande do Norte a fim de intensificar as buscas pelos dois fugitivos da Penitenciária Federal de Mossoró.

O pedido de reforço partiu do diretor-geral da Polícia Federal, Andrei Rodrigues. A governadora Fátima Bezerra (PT) concordou com a demanda.

A tropa enviada por Lewandowski se juntará aos cerca de 500 agentes da Polícia Federal, da Polícia Rodoviária Federal e das polícias do estado que trabalham na busca dos fugitivos.

Este é o sexto dia de trabalhos para localizar Rogério da Silva Mendonça e Deibson Cabral Nascimento, os primeiros detentos a escaparem de um presídio federal de segurança máxima no País.

No domingo 18, Lewandowski confirmou que a dupla usou uma barra de ferro retirada de uma das paredes para deixar a cela, o que indica má conservação.

Eles teriam obtido a barra, de cerca de 50 centímetros, descascando uma parte da cela que já estava comprometida, devido a infiltração e falta de manutenção.

Os agentes intensificaram no domingo as buscas na região de Baraúna, uma cidade na divisa entre o Rio Grande do Norte e o Ceará, em uma área de mata na zona rural. A operação também conta com helicópteros, drones e cães farejadores.

Duas investigações estão em andamento: uma de caráter administrativo, para apurar as responsabilidades pela fuga; e outra da Polícia Federal, a mirar as responsabilidades de quem eventualmente tenha facilitado a ação.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor…

O bolsonarismo perdeu a batalha das urnas, mas não está morto.

Diante de um país tão dividido e arrasado, é preciso centrar esforços em uma reconstrução.

Seu apoio, leitor, será ainda mais fundamental.

Se você valoriza o bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando por um novo Brasil.

Assine a edição semanal da revista;

Ou contribua, com o quanto puder.

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo