Sociedade

IBGE: Número de nascimentos no Brasil cai pela quarta vez consecutiva e é o menor em 47 anos

Em 2022, ano dos dados, Santa Catarina (2,0%) e Mato Grosso (1,8%) foram os únicos estados que registraram aumento de nascimento

Brasil é recordista em cesarianas no mundo
Apoie Siga-nos no

O Brasil registrou a quarta queda consecutiva dos nascidos vivos em 2022. Foram 2,54 milhões de nascimentos, o que representa um recuo de 3,5% em comparação com o ano de 2021. Os dados são do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), divulgados nesta quarta-feira 27.

Em comparação com a média dos cinco anos anteriores à pandemia de Covid-19, de 2015 a 2019, há uma diminuição de 11,4%.

Todas as regiões do País apresentaram queda nos registros de nascimentos ocorridos em 2022, de acordo com o levantamento do instituto. 

Em destaque, as quedas de natalidade superiores à média nacional foram registradas no Nordeste (-6,7%) e no Norte (-3,8%). 

Ao considerar os estados, a Paraíba apresentou a maior queda (-9,9%), seguida pelo Maranhão (-8,5%), Sergipe (-7,8%) e Rio Grande do Norte (-7,3%). 

Os únicos estados que tiveram aumento de registros de nascimentos foram Santa Catarina (2,0%) e Mato Grosso (1,8%).

O Sudeste, por sua vez, lidera o número de registros de nascimento. Ao todo, foram 979.328 bebês em 2022. Ainda que seja a região com o maior volume de novos bebês em 2022, o instituto aponta uma queda de 2,6% na comparação com 2021. 

Na região, o estado onde mais pessoas nasceram foi São Paulo. Foram 512.611 nascimentos em 2022. Nacionalmente, o que registrou menos nascimentos foi Roraima, com 11.538.

Destes números, quase metade dos bebês são de mulheres entre 20 e 29 anos. Outros 34,5% dos bebês têm mães de 30 anos ou mais. Na sequência, 12,1% da mães tem menos de 20 anos e 4,2% das crianças são de mães com mais de 40 anos.

O mês com maior número de registros de crianças no Brasil em 2022 foi março. De acordo com os dados do IBGE, foram 233.177 nascimentos no período. Na outra ponta, o mês de outubro foi o que teve menos registros, com 189.003 nascimentos.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo